Mustafá coloca o filho no CD do Palmeiras

Para manter a política que prioriza o clube e depois o futebol, Mustafá Contursi fez questão de se manter no poder do Palmeiras. Com ele está mantida a política ?pé no chão?, sem contratações milionárias ou parcerias no futebol onde o Palmeiras não mantenha o poder de decisão Depois de ser presidente por 12 anos, Mustafá resolveu e foi facilmente eleito na noite de segunda-feira para dois anos na presidência do Conselho Deliberativo. A força de Mustafá continua tão grande que fez seu filho Addel ser um dos conselheiros mais votados. "O Mustafá Contursi é uma força política imensa. Não podemos abrir mão de um homem como ele, com a visão do futebol que ele tem. Se o clube está em tão boa condição financeira ele é o grande responsável", diz o diretor de futebol Hugo Palaia. Mustafá havia dito em dezembro que se afastaria da vida política do Palmeiras. Disse que tinha dado a sua contribuição e que iria acompanhar todo o processo de longe. Só que não pôde. Desde que anunciou que não iria continuar como presidente, Mustafá foi perseguido por aliados. O apelo maior era que a situação precisava dele para atropelar o eterno oposicionista Luiz Gonzaga Belluzzo. Foi um grande estímulo. Mustafá não suporta o estilo da campanha do economista que insiste em apontá-lo como ditador. Teve de enfrentar também a candidatura independente de Paulo Nobre. Como havia se proposto, Mustafá ?atropelou?. Teve 167 votos, contra 47 de Belluzzo e 44 de nobre. O vice da situação, Cláudio Mezzarane, venceu com 148 votos contra 55 de Augusto Pompeo de Toledo da oposição e 52 de Eben Gautieri, independente. Conselheiros ficaram impressionados com a frieza de Mustafá após a vitória. Ele venceu e fez questão que não houvesse festa. A atitude foi tomada para humilhar a oposição, para mostrar que ele nunca teve medo de Belluzzo. Do Conselho Deliberativo, Mustafá irá acompanhar todas as decisões mais importantes do presidente Affonso Della Mônica. Na verdade, nem precisava do cargo. Muito leal a Mustafá, Della Monica tem discutido com ele os problemas do clube. Vice presidente do Clube dos 13, presidente do Sindafebol - sindicato dos clubes brasileiros - e um dos representantes da Fifa na América Latina, Mustafá ficará nos próximos dois anos no comando do Conselho Deliberativo. E depois, se quiser, poderá ser novamente presidente do Palmeiras. Só depende da sua vontade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.