Mustafá declara guerra a "perseguidores"

A oposição do Palmeiras que se cuide. Quem pensava e contava com a saída do presidente Mustafá Contursi após o título do Campeonato Brasileiro da Série B, enganou-se. O dirigente, em entrevista à Rádio Trianon, nesta terça-feira, disse que se manterá no cargo até o final ? dezembro de 2004. E declarou guerra contra seus ?perseguidores?. ?Vou cumprir minhas obrigações estatutárias?, afirmou Mustafá, deixando claro não sair do comando do clube antes do fim do mandato, como havia prometido em entrevista anterior à Rádio Jovem Pan. Na oportunidade, afirmou que, caso o Palmeiras retornasse à Primeira Divisão, seu ciclo estaria encerrado. Entretanto, nesta terça-feira não descartou a possibilidade de pedir uma licença. ?Já tenho condições de delegar poderes a outras pessoas.? Mustafá revelou estar munido de documentos e provas, as quais quer avaliar nos mínimos detalhes, para processar seus desafetos por calúnia e difamação. Os sites criados este ano com mensagens contra ele são os mais visados. E a campanha da oposição também. Mustafá alega que seus opositores disseram muitas coisas infundadas. Contudo, nem só de brigas políticas vive o presidente do Palmeiras. Ele aproveitou para revelar projetos para melhorar a estrutura da parte social do Palmeiras. Disse que comprou mais casas ao lado do Palestra Itália, para fazer um novo acesso ao estádio. Assim, evitaria que os torcedores andassem pelas dependências sociais do clube. Edmílson ? Mustafá ainda está em dívida com o atacante Edmílson. O clube prometeu doar residências para seus ?pratas-da-casa? que ajudaram o clube na campanha da Série B no time titular. A ajuda viria na renovação de contrato. Alceu, Vágner e Diego Souza receberam o prêmio. Edmílson, com vínculo até 2006, e querendo prorrogar até 2008, ainda aguarda. ?Já falaram comigo.?

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.