Clayton de Souza/Estadão
Clayton de Souza/Estadão

Na base da conversa, Muricy faz Jadson e Ganso marcarem mais no São Paulo

Desde a chegada do treinador, os dois atletas passaram ajudar mais o time defensivamente

PAULO FAVERO, O Estado de S. Paulo

20 de setembro de 2013 | 07h19

SÃO PAULO - A chegada de Muricy Ramalho trouxe novos ares para o São Paulo. Uma mudança fundamental que o treinador conseguiu fazer foi tornar o time eficiente com Jadson e Ganso no meio, dois jogadores acostumados a criar e que agora estão também se destacando na marcação. “Logo que chegou, ele conversou comigo e me passou o que queria em termos de posicionamento tático. Estou tentando fazer o que ele pediu”, explica Jadson, satisfeito com o resultado até agora.

Ele explica que nunca havia trabalhado com Muricy, mas que o treinador já conhecia Ganso do período que comandou o Santos. “É a primeira vez que estamos trabalhando juntos, mas ele teve uma conversa com nós dois, e eu e o Ganso também conversamos. A gente sempre fala dentro de campo também. Quando um está mais adiantado, o outro sempre vem para ajudar. A gente tem se entendido dentro de campo dessa forma. Não tem que pensar em cada um, tem que pensar no grupo, em sair dessa situação.”

Jadson revela que, para a equipe funcionar com dois meias de criação, os dois precisam ajudar na marcação e, quando um está mais adiantado, o outro praticamente vira um volante para minimizar o poder de fogo do adversário. Com Ganso, eles têm feito isso, tanto que Muricy vem elogiando a atuação de seus meias. “Esse jogo de marcação, de doação, o Jadson nunca havia feito”, comentou o treinador após a vitória sobre o Atlético-MG. Muricy acha que a conversa com Jadson já surtiu efeito. “Disse a ele que precisamos mais dele e que, quando o time estiver bem, vai jogar livre. Hoje em dia, ele precisa fazer esse corredor direito e está entendendo essa situação”, continua.

Com o meio de campo funcionando, a defesa parou de tomar gols e o ataque voltou a funcionar. Já são três vitórias consecutivas e o próprio Jadson dá a entender que o time está se esforçando mais desde a saída de Paulo Autuori, apesar de elogiar o antigo comandante. “No momento em que a equipe estava, todos precisavam se doar mais, ajudar. Estou tentando cumprir da melhor forma. O Paulo é um cara honesto, que conhece muito de futebol e eu, particularmente, gosto muito dele. Mas com a chegada do Muricy, nossa equipe está se doando um pouco mais, pois sabemos que temos a necessidade de vencer”, afirma Jadson.

Para a partida de domingo contra o Goiás, o grande problema será a ausência do volante Maicon, suspenso pelo terceiro cartão amarelo. Responsável por dar mais qualidade ao passe no meio de campo, o jogador ficará fora e o técnico ainda não definiu quem entrará em seu lugar. Uma possibilidade é a manutenção do time com a entrada de Fabrício como volante. A outra é tirar o polivalente Rodrigo Caio da defesa e deslocá-lo para o meio. Com isso, Rafael Toloi entraria na zaga.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.