Na batalha de Nuremberg, Portugal elimina a Holanda

Num jogo violento, com quatro expulsões e 12 cartões amarelos, Portugal se manteve invicto diante da Holanda ao vencer o jogo deste domingo por 1 a 0, no Frankenstadion, em Nuremberg, e garantir a sua classificação às quartas-de-final da Copa do Mundo da Alemanha. O time dirigido pelo brasileiro Luiz Felipe Scolari pega na próxima fase a Inglaterra, que bateu o Equador. A vaga nas semifinais será disputada no próximo sábado, em Frankfurt.Com o resultado, os portugueses mantiveram a escrita de não perderem dos holandeses há cinco anos. O último triunfo do time de Felipão sobre os rivais havia sido na semifinal da Eurocopa de 2004. De quebra, o treinador gaúcho ampliou para 11 o número de triunfos consecutivos em Copas - ele já tinha em seu currículo sete vitórias com o Brasil em 2002 e três com Portugal na primeira fase na Alemanha.Essa será a terceira vez que Portugal enfrenta os ingleses em Mundiais. Os lusitanos foram derrotados nas duas ocasiões anteriores, em 1966 (Inglaterra) e 1986 (México).Com as quatro expulsões, a "Batalha de Nuremberg" entra para a história como o mais violento da história das Copas. Nunca um juiz havia mostrado tantos vermelhos. O recorde anterior eram de três, que haviam ocorrido nos jogos entre Itália x EUA, Croácia x Austrália (ambos na primeira fase deste Mundial), Brasil x Checoslováquia (França-1938), Brasil x Hungria (Suíça-1954) e Dinamarca x África do Sul (França-1998).Apesar da desclassificação, o goleiro Edwin Van der Sar se tornou o jogador com mais jogos com a camisa da seleção holandesa, com 113 no total - marca anterior pertencia ao zagueiro Frank de Boer (112).A partidaEm busca da vingança, os holandeses começaram a partida marcando muito a saída de bola dos portugueses, mas de forma desorganizada. O time dos Países Baixos só parava os rivais com violência. Com menos de sete minutos de jogo, Van Bommel e Boulahrouz já haviam sido advertidos com cartões amarelos.Apesar disso, o time comandado por Marco Van Basten foi o primeiro a buscar o gol. Na primeira descida do time, o meia Mark Van Bommel fez boa jogada e arriscou de longe, rente à trave do goleiro Ricardo. Em seguida, Van Bronckhorst cobrou falta próximo da meia-lua, mas o camisa 1 lusitano fez a defesa.Muito recuada, a seleção portuguesa só conseguiu responder aos 23, quando conseguiu abrir o marcador. Em uma excelente jogada do ataque, Cristiano Ronaldo chamou a marcação dos zagueiros e tocou para Deco. O meia brasileiro naturalizado rolou para Pauleta, que deixou Maniche sozinho para soltar uma bomba, sem chances para Van der Sar - o volante lusitano já havia feito um golaço diante dos rivais no jogo realizado há dois anos pela principal competição européia. Aos 33, Portugal perdeu sua principal estrela, Cristiano Ronaldo, devido a uma lesão na perna direita após entrada dura do zagueiro Khalid Boulahrouz - o jogador deixou o campo chorando por causa das dores. A Holanda aproveitou a saída do rival e quase chegou ao empate logo em seguida. Numa linda jogada de Van Persie, o meia-atacante invadiu a área pela direita e deixou três zagueiros no chão. Na conclusão, ele chutou para fora, rente à trave direita de Ricardo.O momento mais polêmico da partida aconteceu aos 43. Após passe de Robben, Kuyt dominou na área e sofreu entrada violenta de Nuno Valente. Como o assistente já havia apontado impedimento, o juiz russo Valentin Ivanov não marcou pênalti claro. Três minutos depois, Portugal ficou com um jogador a menos quando Costinha recebeu cartão vermelho por interceptar um passe com a mão.Aproveitando a vantagem numérica em campo, a Holanda voltou para a etapa complementar disposta a empatar e quase conseguiu aos 3 minutos. Robben levantou na área para Cocu, que acertou uma bomba no travessão. Momentos depois, Van Bommel chutou forte de fora da área e Ricardo quase entregou, mas a bola foi para a linha de fundo.O clima tenso da partida aumentou aos 13 minutos, quando Figo aproveitou a desatenção do árbitro russo para acertar uma cabeçada no holandês Van Bommel - ele não foi advertido com cartão amarelo. Nervoso, Boulahrouz tomou as dores do companheiro e deu uma cotovelada no rosto do meia português numa disputa de bola. Ele recebeu o segundo amarelo e também foi expulso.Muito perdido na partida, o juiz Valentin Ivanov deixou de expulsar o meia Deco, que havia dado um carrinho por trás em Heitinga. Enquanto que o zagueiro holandês era atendido no gramado, Sneijder empurrou Petit e a confusão generalizada começou, com os jogadores das duas equipes se empurrando. Mas, aos 32, Deco não conseguiu escapar do vermelho ao segurar a bola antes da cobrança de falta. Minutos depois, foi a vez de Van Bronckhorst deixar o campo mais cedo.Exaltado, Felipão começou a jogar a culpa no holandês Marco Van Basten por causa do clima tenso, que gerou as quatro expulsões do jogo.Mesmo sem seu principal armador, Portugal quase ampliou nos acréscimos. Depois de segurar a pressão holandesa, o meia-atacante Tiago foi lançado, invadiu a área e bateu cruzado, muito perto da meta de Van der Sar.Para o confronto com a Inglaterra, a seleção de Portugal não poderá contar com Deco e Costinha, que irão cumprir suspensão automática - eles poderão ganhar mais alguns jogos de gancho, assim como Figo, que foi flagrado pelas câmeras de televisão dando uma cabeçada num rival.Ficha técnica:Portugal 1 x 0 HolandaPortugal: Ricardo; Miguel, Ricardo Carvalho, Fernando Meira e Nuno Valente; Costinha, Maniche, Deco e Figo (Tiago); Cristiano Ronaldo (Simão Sabrosa) e Pauleta (Petit). Técnico: Luiz Felipe Scolari.Holanda: Van der Sar; Boulahrouz, Ooijer, Mathijsen (Van der Vaart) e Van Bronckhorst; Mark van Bommel (Heitinga), Sneijder, Cocu (Hesselink) e Van Persie; Kuyt e Robben. Técnico: Marco Van Basten.Gols: Maniche, aos 23 minutos do primeiro tempo. Árbitro: Valentin Ivanov (Rússia). Cartões amarelos: Van Bommel, Boulahrouz, Van Bronckhorst, Sneijder, Van der Vaart, Maniche, Costinha, Petit, Figo, Deco, Ricardo e Nuno Valente. Cartões vermelho: Costinha, Deco, Boulahrouz e Van Bronckhorst. Local: Frankenstadion, em Nuremberg.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.