Arquivo/AE
Arquivo/AE

Na busca por apoio, Corinthians inicia reforma de seu CT

Clube aproveita doação de terra para iniciar as obras; diretoria ainda busca mais investidores

MARCEL RIZZO, Agencia Estado

13 de julho de 2009 | 23h15

Enquanto espera por investidores, a diretoria do Corinthians mandou iniciar as obras para a reforma do Centro de Treinamento no Parque Ecológico do Tietê com a ajudinha de algumas construtoras. Mas esqueça a indicação do presidente Lula, como comentou Ronaldo na semana passada, ou o comprometimento com o projeto em si. O auxílio chegou em forma de doação de parte da terra que será usada.

Veja também:

linkCorinthians x Palmeiras será em Presidente Prudente

linkElias pega suspensão e Mano é absolvido no STJD

linkEquipe passa por jejum de vitórias como visitante

especialMASCOTES - Baixe o papel de parede do seu time

especialVisite o canal especial do Brasileirão

Brasileirão 2009 - lista Tabela | tabela Classificação

especialDê seu palpite no Bolão Vip do Limão

"Toda a terra que vamos utilizar nesse primeiro momento, e que já está lá no CT, foi doada. Têm muitos prédios sendo levantados no Tatuapé (zona leste da capital) e sobra muita terra", contou André Luiz de Oliveira, diretor administrativo. "Como eles não têm para onde levar, fomos até algumas empresas e pedimos a doação. Eles aceitaram", completou. Ele comanda o projeto do CT ao lado do médico Joaquim Grava.

Oliveira não revelou os nomes dos doadores e nem quanto de terra o clube recebeu ou vai precisar na primeira parte da obra. Num primeiro momento, o terreno será murado - hoje é aberto e torcedores têm acesso aos treinos - e será iniciada a fundação (obra de sustentação) das futuras instalações.

A terra será usada para uma nova terraplenagem, que já havia sido feita no início da década, quando o terreno foi concedido pelo governo estadual.

INVESTIDORES

Segundo o presidente Andrés Sanchez, o clube busca investimento para a conclusão da obra - que prevê um CT com hotel e até heliponto - com os atuais patrocinadores e com outras empresas que querem associar o nome ao projeto. Uma das propostas enviadas aos pretendentes é que eles associem sua marca ao nome do CT, em prática chamada de "naming rights".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.