Sirli Freitas/Chapecoense
Sirli Freitas/Chapecoense

Na Chapecoense, Neto volta a passar por cirurgia e adia retorno aos gramados

Zagueiro ainda sofre com sequelas de acidente aéreo, que ocorreu no fim de 2016

Estadão Conteúdo

04 de abril de 2018 | 18h54

Um dos sobreviventes à tragédia da Chapecoense, o zagueiro Neto voltou a adiar seu retorno aos gramados. Ainda sofrendo com as sequelas do acidente aéreo, ocorrido no fim de novembro de 2016, o jogador passa por nova cirurgia no joelho direito, nesta quarta-feira, o que deve atrasar mais uma vez a sua volta aos jogos.

+ Chapecoense confirma caso de doping e afasta volante Moisés

+ Chapecoense anuncia Jakson Follmann como relações públicas do clube

O procedimento vai corrigir lesão no ligamento cruzado posterior do joelho, que já havia sido operado na sequência do acidente, ainda em 2016. A Chapecoense ainda não informou previsão de tempo de recuperação do atleta de 32 anos, que ainda tenta fazer seu retorno aos gramados.

Um ano e quatro meses após a tragédia, Neto ainda tenta recuperar a parte física e técnica para voltar a defender a Chapecoense. Desde o acidente, ele só entrou em campo duas vezes, em jogos amistosos ou festivos. Contra o Barcelona, apenas participou do pontapé inicial. E, no fim do ano passado, esteve em campo durante 71 minutos, em referência ao número de mortos no acidente, num jogo festivo na Arena Condá.

A expectativa inicial era de que Neto voltasse aos campos ainda em 2017, mas a perspectiva de uma nova cirurgia, confirmada enfim nesta quarta, impediu seu retorno na reta final do Brasileirão do ano passado, quando a Chapecoense obteve a vaga na fase preliminar da Copa Libertadores - o time já foi eliminado.

Neto foi um dos quatro brasileiros que sobreviveram à tragédia com o avião da LaMia, no fim de novembro de 2016, na Colômbia. O lateral Alan Ruschel e o goleiro Jakson Follman são os outros jogadores sobreviventes - o outro brasileiro foi o jornalista Rafael Henzel. Dos atletas, somente Ruschel conseguiu fazer seu retorno aos gramados. Follman teve parte da perna direita amputada, mas assinou contrato recentemente para se tornar "embaixador" e relações públicas do clube.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolChapecoenseNeto

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.