Torcida colombiana recria o hit 'Brasil decime que se siente'

Nova letra troca Maradona e Canigia por James, Cuadrado e Armero

ALMIR LEITE E GONÇALO JUNIOR, Estadão Conteúdo

17 de junho de 2015 | 18h16

Os torcedores colombianos criaram uma nova versão para a música ''Brasil decime que se siente'', que se tornou o hino da torcida argentina durante a Copa do Mundo, no ano passado. A versão colombiana foi "apresentada" na tarde desta quarta-feira, no Estádio Monumental, antes da partida contra o Brasil, pela segunda rodada do Grupo C da Copa América.

A letra é mais simples, menos elaborada e também menos provocativa aos brasileiros do que o clássico argentino que percorreu todas as cidades brasileiras em 2014. Mesmo assim, a torcida colombiana se inspirou no talento de James Rodríguez, nos passes de Cuadrado e nos gols da Falcao García para incentivar a equipe.

A canção reflete a maneira como os colombianos se sentem no Chile: totalmente em casa. Maioria absoluta em todas as entradas do estádio do Colo Colo, em Santiago, os colombianos devem fazer grande pressão durante a partida. A Colômbia precisa vencer depois da surpreendente derrota para a Venezuela, na estreia.

A exemplo do que aconteceu na estreia, contra o Peru, o Brasil vai jogar como visitante. Espremidos em uma das entradas da arena, o casal Yuta e Lilian Fujii - ela brasileira e ele japonês - ambos com uniforme da seleção brasileira - estranharam a presença maciça dos rivais. "Acho que os brasileiros ainda vão chegar. Estão todos trabalhando", afirmou.

Brasil dime como se siente(Brasil me como se sente)

tener a James frente a frente (Ter a James frente a frente)

correr como un desesperado (Corre como um desesperado)

por esos pases de Cuadrado (Por esses passes de Cuadrado)

Brasil yo se que tienes miedo (Brasil eu sei que você tem medo)

a la mapana de Armero (Da dança de Armero)

tu pena sera insoportable (Sua pena será insuportável)

por los hinchas inseparables (Pelos Hinchas Inseparables)

Y no se callaran mi boca cuando Yepez bese la copa (E não calaram minha boca quando Yepez beijar a Copa)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.