Raphael Alves/EFE
Raphael Alves/EFE

Na despedida de Formiga, seleção brasileira goleia Índia na Arena da Amazônia

Experiente jogadora atua por pouco mais de 15 minutos e recebe diversas homenagens em partida válida pelo Torneio Internacional de Futebol Feminino

Felipe Rosa Mendes, O Estado de S.Paulo

26 de novembro de 2021 | 00h06

Na despedida da veterana Formiga, a seleção brasileira feminina de futebol aproveitou as fragilidades da Índia, principalmente na defesa, para confirmar seu favoritismo com uma goleada de 6 a 1, na noite desta quinta-feira, na Arena da Amazônia, em Manaus. A partida faz parte do Torneio Internacional de Futebol Feminino, quadrangular amistoso que encerra a temporada 2021 da seleção.

Estrela da noite, Formiga entrou em campo apenas aos 32 minutos do segundo tempo. Com a braçadeira de capitã do time, a volante jogou na posição de atacante. Até teve uma oportunidade, mas não conseguiu coroar com um gol a data especial, encerrando uma trajetória de 26 anos na seleção.

Antes de a bola rolar, a jogadora de 43 anos recebeu novas homenagens nesta noite, como havia acontecido nos últimos dias. Desta vez, um vídeo com alguns dos seus melhores momentos pela seleção foi exibida no telão do estádio. Nas arquibancadas, parte de sua família acompanhou o jogo e as homenagens.

A volante, com 234 jogos e 37 gols marcados pela seleção, recebeu ainda uma placa no gramado, antes do apito inicial. Formiga é a única jogadora de futebol a estar em todas as edições da Olimpíada desde que a modalidade passou a integrar o programa olímpico. São sete Jogos Olímpicos no currículo, com duas medalhas de prata (2004 e 2008). Também foram 7 Copas do Mundo, com o vice de 2007. Ela ainda soma três ouros em Jogos pan-americanos.

Logo após o apito final, Formiga recebeu novas homenagens, desta vez com direito a surpresa. Marta, que havia sido convocada, mas pediu dispensa para estes amistosos da seleção por motivos pessoais, apareceu no gramado com um buquê de flores na mão e o microfone na outra para exaltar a trajetória da colega.

No primeiro tempo, o Brasil parecia em condições de emplacar uma sonora goleada na limitada equipe indiana, que fez apenas quatro jogos neste ano e nenhum em 2020 - nunca disputou uma Copa ou Olimpíada. No primeiro confronto entre as duas seleções na história, o Brasil abriu o placar aos 50 segundos de jogo. Debinha precisou de duas tentativas dentro da área. Na primeira a goleira pegou, mas deu rebote e sobrou para a própria atacante completar para o gol.

Mas o fácil domínio não escondeu as fragilidades da defesa brasileira. Aos 7, a Índia empatou em sua primeira investida no ataque. Manisha Kalyan avançou pela esquerda e finalizou com tranquilidade no canto esquerdo da goleira Letícia Izidoro.

Depois do susto, o Brasil cresceu em campo. Aos 18, Duda mandou na trave. Aos 33, a bola até entrou, mas a árbitra anulou, por impedimento. Três minutos depois, a seleção chegou ao segundo gol, numa rápida trama pelo lado direito que culminou em finalização certeira de Gio, quase da marca do pênalti.

O segundo tempo começou sem Formiga em campo. A técnica Pia Sundhage promoveu três substituições, sem colocar a volante na partida. A seleção apresentou ligeira melhora e voltou a exibir atuação mais ofensiva. Aos 6, Ary Borges aproveitou passe de Debinha e mandou para o gol. O quarto gol veio dois minutos depois, com Kerolin.

Aos 17, a treinadora da seleção fez mais duas alterações. Curiosamente, Formiga não foi chamada do banco de reservas, gerando suspense nas arquibancadas. A veterana só entrou em campo aos 32, ao assumir a braçadeira de capitã da equipe, ao substituir Debinha. Pouco antes, Geyse anotou o quinto gol brasileiro, aos 30, aproveitando vacilo da defesa indiana.

Jogando como atacante, a volante Formiga chegou a ter oportunidade de gol dentro da área. Mas parou na goleira Chauhan. Na sequência, uma finalização sua iniciou a jogada do sexto gol, quando a goleira indiana deu rebote e Ary Borges completou para as redes, aos 35 minutos, selando a goleada.

Ao final da partida, Formiga não conteve a emoção ao receber flores de Marta. A meio-campista aproveitou para agradecer o carinho da torcida, assim como das jogadoras e da comissão técnica da seleção. 

"Agradeço a todos pelo carinho. Obrigado a todos que se empenharam bastante para que hoje isso acontecesse. Quem ganha com isso é o futebol feminino, com vocês, aqui, prestigiando a nossa seleção. E que continue dessa forma. Vou continuar contribuindo porque sei que muitas dessas garotas têm um sonho", disse Formiga. 

"Tive o privilégio de jogar com a melhor jogadora do mundo (Marta). Obrigado, nossa Rainha. Obrigado, minha mãe, sou grata à senhora por tudo. A senhora me deu a oportunidade de estar aqui hoje. Obrigado, Brasil. Obrigado, Manaus. Não esqueçam, comprometimento com trabalho sério", completou.

A seleção fará mais dois jogos no torneio amistoso. No domingo, enfrentará a Venezuela. Na quarta-feira da próxima semana, o adversário será o Chile. Ambos os jogos estão marcados para a Arena da Amazônia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.