Na despedida, Fluminense quer manter 100% em Macaé

Antes de finalmente voltar ao Maracanã, no dia 21 de julho, quando disputa o clássico com o Vasco, o Fluminense faz neste sábado a sua despedida do Estádio Cláudio Moacyr, em Macaé (RJ), ao enfrentar o Inter, a partir das 18h30, pela sétima rodada do Brasileirão.

AE, Agência Estado

13 de julho de 2013 | 07h05

Na despedida, o Fluminense quer manter o retrospecto no estádio em Macaé, no qual teve seis jogos e seis vitórias até agora. No Brasileirão, o time carioca tem a mesma pontuação do Inter, com nove pontos, mas leva vantagem nos critérios de desempate.

Jogando em Macaé, onde começou a mandar suas partidas ainda no Campeonato Carioca de 2011, por causa da reforma do Maracanã, o Fluminense teve 100% de aproveitamento nesta edição do Brasileirão, com três vitórias nos três jogos que fez no estádio até agora.

Apesar do bom retrospecto, os jogadores não escondem a vontade de voltar a ter uma "casa", como será no Maracanã - o clube assinou contrato nesta semana para utilizar o estádio por 35 anos. "O último jogo lá (em Macaé) tem mais de um mês. Não sabemos como está o campo. A sensação é de jogarmos sempre fora de casa", disse o volante Jean.

Neste sábado, o meia Deco mais uma vez deve ficar como opção no banco de reservas, mesmo após a transferência de Thiago Neves para a Arábia Saudita. O técnico Abel Braga mantém a preferência por Wagner no time titular.

"Minha meta é voltar a jogar, jogar bem, ser feliz e ajudar o Fluminense. Quando se está mais velho, o dia a dia é mais difícil. O prazer é quando você vai para o jogo", disse Deco, que já tem 35 anos e vem sofrendo com seguidas lesões.

Nesta semana, Abel Braga garantiu que as saídas de Thiago Neves e Wellington Nem, ambos negociados, não mudam o esquema de jogo do time. "Já temos uma forma de jogar da qual não podemos abdicar. Mudar agora é complicado. O que muda um pouco é a característica de cada um. Não fico lamentando as saídas, entendo perfeitamente", disse o treinador.

Abel Braga, campeão da Libertadores e do Mundial com o Inter em 2006, espera jogo duro neste sábado. "São duas equipes que vão brigar no topo da tabela, jogam ofensivamente. Será uma partida difícil, especial e dura", avisou o treinador do Fluminense.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolBrasileirãoFluminense

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.