Na estréia de Rivaldo, Cruzeiro só empata

O meia-atacante Rivaldo estreou hoje no Cruzeiro com uma festa digna de um dos melhores jogadores do mundo, durante um amistoso contra a Cabofriense, em Cabo Frio, região dos Lagos. A partida terminou empatada em 1 a 1 e o jogador permaneceu em campo durante os primeiros 45 minutos. No primeiro tempo o Cruzeiro jogou com sua força máxima para a temporada de 2004, exceção para os atletas que estão na Seleção Sub-23 disputando o Pré-Olímpico, no Chile. Rivaldo, a estrela da partida, procurou se movimentar por ambos os lados do campo, atuando livremente, mas a falta de entrosamento com os companheiros foi visível. "Acho que foi um jogo válido. Uma boa estréia, disse Rivaldo, que confessou um pouco de cansaço e não voltou para o segundo tempo. "Já estava combinado com o Vanderlei (o técnico Wanderlei Luxemburgo), que todo o time não voltaria. Em campo, a Cabofriense sufocou o Cruzeiro e o atacante Sinval desperdiçou quatro oportunidades de gol. Já Rivaldo, apesar de se apresentar para armar e receber as jogadas, teve uma única possibilidade de inaugurar o marcador, em um chute de esquerda, da entrada da área, que passou por cima do travessão, aos 34 minutos. "Torci muito para a bola entrar, mas não deu", contou Rivaldo. "O time deles está empolgado e embalado pela torcida, é natural que façam pressão porque o Cruzeiro ainda está se acertando. E hoje em dia quem não quer ganhar do nosso time." No segundo tempo, com o time reserva em campo, o Cruzeiro melhorou o seu desempenho e chegou ao gol aos 34 minutos, através do atacante Lima. Mas aos 46 minutos a Cabofriense empatou com Bechara cobrando pênalti.Sem faixa - Antes do início da partida houve uma queima de fogos que durou sete minutos em homenagem ao aniversário de 500 anos de Cabo Frio e do título de campeão brasileiro pelo Cruzeiro. Durante a entrega das faixas ao time mineiro, Rivaldo se recusou a vesti-la. "No ano passado não fui campeão aqui, mas espero ser muitas vezes nesse ano. Revolta - Ao ver que o time do Cruzeiro não voltou para o segundo tempo com o seu time principal, os oito mil torcedores que pagaram R$ 15,00 pelo ingresso começaram a protestar: "Quero meu dinheiro, quero meu dinheiro."

Agencia Estado,

21 de janeiro de 2004 | 23h01

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.