Christof Stache/AFP
Christof Stache/AFP

Na Europa, ideia é adotar medidas contra os abusos nas negociações

Entre as possibilidades discutidas estão a volta do sistema antigo, com agentes licenciados exclusivamente pela Fifa

Jamil Chade, correspondente em Genebra (SUI), O Estado de S.Paulo

30 de abril de 2018 | 07h00

O fracasso das novas leis levou diferentes entidades a proliferar reuniões na Suíça para tentar restabelecer um diálogo e um processo que possa levar a uma adoção de novas regras. Dentre as possibilidades, discute-se a volta do sistema antigo com agentes licenciados exclusivamente pela Fifa e a implementação de um limite de comissões para empresários com margem que varie entre 5% e 10%. As novas medidas devem entrar em vigor a partir do dia 1.º de junho.

Fifa vai oferecer à seleção vaga em Liga que pode render R$ 172 milhões

Fifa rejeitou participação de Del Nero por videoconferência em audiência final

Após acusação de conflito de interesse, Infantino diz confiar em Samoura

Para David Seligman, um dos principais agentes europeus, o atual sistema desregulamentado pode gerar um abuso de muitos desses intermediários, principalmente diante de jovens jogadores estrangeiros que desembarquem na Europa.

Mel Stein, que criou na Inglaterra a Associação de Agentes de Futebol, também é um forte crítico das leis estabelecidas em 2015. Em sua avaliação, a imposição de um teto para o valor retido pelos intermediários poderia “destruir aproximadamente 50% dos negócios” dos membros de sua associação.

Os números confirmam que, de fato, a medida adotada em 2015 pela Fifa não funcionou. De acordo com a entidade máxima do futebol, intermediários ficaram com US$ 213 milhões (R$ 734 milhões) em 2013, como resultado de vendas e compras de jogadores no mundo. Em apenas cinco anos, o valor dobrou e, no ano passado, os agentes acumularam uma renda de US$ 447 milhões (R$ 1,5 bilhão). Desse total, US$ 125 milhões (R$ 431 milhões) estão na Inglaterra, seguido por Itália, Alemanha, França e Espanha.

Números colhidos ainda pela Comissão Europeia revelam que, entre 2013 e 2017, os agentes acumularam uma renda de US$ 1,6 bilhão (R$ 5,5 bilhões).

Hoje, nomes como Jorge Mendes, Kia Joorabchian e Pini Zahavi teriam o controle de jogadores que valeriam mais de 2 bilhões de euros (R$ 8,3 bilhões). Segundo a revista Forbes, Mendes sozinho teria uma “carteira” de 102 atletas, entre eles Cristiano Ronaldo, e uma fortuna pessoal avaliada em US$ 72 milhões (R$ 258 milhões).

Na avaliação da Fifa, o novo sistema teria como objetivo evitar a lavagem de dinheiro. Mas, para os críticos, ao deixar o controle sobre esses intermediários nas mãos das federações nacionais, a realidade é que se estaria criando um “faroeste” no mercado global do futebol. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.