Na Índia, Maradona volta a dizer que é melhor que Pelé

'Minha mãe me achava o melhor do mundo. Portanto, se ela dizia isso, é verdade', afirma o técnico da Argentina

EFE,

06 de dezembro de 2008 | 14h34

Diego Armando Maradona, técnico da seleção argentina de futebol, voltou a dizer neste sábado, em tom jocoso, que é melhor do que o brasileiro Pelé, eleito o atleta do século XX.Veja também:Fãs frenéticos dão as boas-vindas a Maradona em Calcutá Dê seu palpite no Bolão Vip do Limão Na coletiva que concedeu depois de chegar neste sábado a Calcutá (leste da Índia), onde foi recebido por dezenas de milhares de pessoas, Maradona, mais uma vez, teve de responder quem ele considerava o melhor jogador do mundo de todos os tempos."Minha mãe me achava o melhor do mundo. Portanto, se ela dizia isso, é porque é verdade", respondeu brincando.Em sua primeira visita à Índia, o astro argentino inaugurou uma escola de futebol e, até o fim de sua estada, visitará o centro das Missionárias da Caridade em Calcutá, cidade onde o esporte com mais seguidores é o futebol.Em meio a demonstrações de carinho da calorosa torcida indiana, Maradona falou sobre o terrorismo, que há pouco mais de uma semana matou mais de 180 pessoas em Mumbai."Alguns grupos estão tirando vidas. Acho esses atos bárbaros. Os terroristas Não deveriam fazer isso. Acho que as pessoas comuns não protestam contra o terrorismo por medo de morrerem", disse o técnico.Maradona também falou do atual chefe de Estado americano, George W. Bush, do presidente eleito dos Estados Unidos, Barack Obama, e de sua relação com o cubano Fidel Castro."Penso que Bush tem algo de assassino. Dou boas-vindas a esta mudança. Gosto muito de Obama. Acho que ele fará um bom trabalho", declarou Maradona na entrevista.Sobre Fidel Castro, o técnico argentino disse que já dividiu muitos charutos com ele. "Falamos sobre política e futebol. Foi uma grande influência para mim".Durante o dia, Maradona foi homenageado no estádio de Calcutá, onde subiu em um carro para saudar a multidão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.