Adam Davy/AP
Adam Davy/AP

Na Inglaterra, campanha erra tom e recebe críticas

Slogan confuso é alvo de reclamações por parte de entidades que defendem os gays, mas trabalho já apresenta resultados

AMANDA ROMANELLI, O Estado de S. Paulo

22 de setembro de 2013 | 08h30

SÃO PAULO - A homofobia no futebol - e a maneira como o assunto deve ser discutido - tomou conta do noticiário esportivo da Inglaterra durante a semana. O estopim foi uma campanha da ONG britânica Stonewall, que criou cadarços com as cores do arco-íris e pediu que fossem utilizados nas chuteiras de todos os jogadores de clubes ingleses.

Segundo a entidade, sete em cada dez torcedores que já foram a um estádio de futebol na Inglaterra ouviram ou presenciaram atos de homofobia nas arquibancadas. Mas a estratégia para a disseminação da campanha foi duramente criticada por clubes e também por outras entidades ligadas à causa gay.

O slogan da campanha foi o primeiro alvo de críticas. "Right Behind Gay Footballers", em tradução literal, significa "atrás dos jogadores gays", mas a real intenção era evidenciar o apoio a esses jogadores.

O duplo sentido da frase motivou piadas em redes sociais, o que enfureceu entidades como a Futebol contra a Homofobia.

"Fomos convidados a participar da campanha, mas achamos incongruente uma campanha que pretende mudar a cultura do futebol utilizar uma linguagem que reforça estereótipos."

A Futebol contra o Racismo na Europa (Fare), rede de organizações que combatem a discriminação no futebol, também criticou o slogan. "Há insinuação sexual no texto e algumas pessoas da comunidade gay estão muito ofendidas."

Já os clubes reclamaram da parceria da Stonewall com a casa de apostas irlandesa Paddy Power. Para a maioria - e até para a Premier League, que promove o Campeonato Inglês -, a discussão sobre a homofobia foi usada como pano de fundo para uma expressiva ação de marketing da empresa. Afinal, a Paddy Power enviou para 92 times da Inglaterra e da Escócia não só cadarços, mas chuteiras Adidas com o logotipo da casa de apostas impresso.

Parece improvável que a empresa tenha ignorado a existência de acordos dos times com outras marcas esportivas e até o patrocínio de outras casas de apostas. Mesmo assim, a ação foi apoiada por jogadores como o zagueiro Joey Barton, do Queens Park Rangers, e pelo time do Everton (patrocinado pela Paddy Power).

Apesar de tantas vozes dissonantes, a Stonewall afirma estar satisfeita com os resultados. "Eu não consigo me lembrar de um debate público dessa magnitude sobre a homofobia no futebol", disse Richard Lane, porta-voz da entidade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.