Na luta contra racismo, Aranha cita Martin Luther King

Goleiro santista, alvo de racistas, disse que 'um dia as pessoas não serão julgadas pela cor da pele, mas pelo conteúdo de seu caráter'

Estadão Conteúdo

29 de agosto de 2014 | 11h30

Depois de ter sido alvo de insultos racistas na noite anterior, durante a vitória do Santos na Arena Grêmio, em Porto Alegre, pela Copa do Brasil, o goleiro Aranha divulgou um comunicado na manhã desta sexta-feira para comentar novamente o episódio. E citou até o ativista norte-americano Martin Luther King para reforçar a luta contra o racismo no mundo.

Aranha foi ofendido por alguns torcedores gremistas que estavam atrás do gol defendido por ele na Arena Grêmio. "Eu estava no gol e a torcida começou a me xingar de preto fedido, cambada de preto, essas coisas... Fiquei nervoso, mas estava me segurando. Foi aí que começou um pequeno coro de "macaco". Um câmera não quis firmar. Eu pedi para ele filmar. Dói muito", disse o goleiro, logo após o jogo, referindo-se aos insultos.

No comunicado divulgado nesta sexta-feira, Aranha revelou que acordou "aliviado e satisfeito", já que ele denunciou as ofensas de que foi alvo e o caso ganhou grande repercussão no País. "Ao meu modo de ver, o racismo, de qualquer tipo ou gênero, é um mal. E todo mal não detectado cresce e se fortalece", escreveu o goleiro do Santos. "Ontem (quinta-feira), esse mal mostrou a sua cara e isso foi bom porque tenho certeza de que será, mais uma vez, combatido e enfraquecido, como em 1963, quando Martin Luther King fez o seu famoso discurso I Have a Dream (Eu tenho um Sonho)," continuou Aranha, citando o ativista político que ficou conhecido pela sua luta contra o racismo nos Estados Unidos.

O goleiro também escreveu no seu comunicado um trecho do famoso discurso de Luther King, que entrou para a história da luta contra a segregação racial. "Eu tenho um sonho. Que um dia viveremos em uma nação onde as pessoas não serão julgadas pela cor da pele, mas sim pelo conteúdo de seu caráter."

Diante do ocorrido em seu estádio, o Grêmio divulgou nota para lamentar e repudiar o episódio, prometendo ajudar na identificação dos responsáveis. O Santos também soltou um comunicado para dar seu apoio a Aranha, condenando as ofensas raciais contra o goleiro, mas isentando o clube gaúcho de culpa pela atitude de alguns torcedores.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolSantos FCGrêmioAranharacista

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.