Ricardo Saibun/Divulgação
Ricardo Saibun/Divulgação

Na mira de Muricy, Edu Dracena deixa futuro no Santos em aberto

Zagueiro, um dos mais experientes do elenco da Vila Belmiro, aproveita para comentar sobre possível 'mala branca' do Palmeiras

SANCHES FILHO, O Estado de S.Paulo

04 de dezembro de 2014 | 13h32

Elogiado recentemente por Muricy Ramalho, com quem já trabalhou no Santos, o zagueiro Edu Dracena garantiu nesta quinta-feira que não foi procurado pelo São Paulo, que teria interesse em contar com o defensor para a próxima temporada. Com contrato com o time da Vila Belmiro até o final de 2015, o jogador, porém, deixou claro que as eleições do clube, no próximo sábado, poderão ser decisivas para sua continuidade ou não na equipe no próximo ano.

O experiente jogador de 33 anos de idade, capitão da equipe santista, deixou o futuro em aberto ao comentar o fato de que Muricy estaria interessado na sua contratação para reforçar o elenco são-paulino. "Isso é respeito, tenho boa relação com ele. Se há interesse ou não, para mim não chegou nada. Se houver, tem que conversar com o Santos. Mas tem a eleição. Depende do presidente. Eu quero permanecer e ficar até o final, mas não sabemos o que vai acontecer no futuro", disse.

Ao lado de Muricy, Edu Dracena foi campeão da Copa Libertadores, da Recopa Sul-Americana e foi bicampeão paulista, mas despista quando questionado sobre a chance de voltar a ser dirigido pelo atual treinador são-paulino. E ele garante estar disposto a continuar vestindo a camisa santista.

"O novo presidente vai saber que temos um ambiente bom aqui no Santos, de jogadores com talento querendo mostrar. Eu vejo que, se pedirem minha opinião, vou ajudar. Com o novo presidente, ele vai ver qual a maneira certa de comandar o clube, e lógico que temos contrato, e na maioria das vezes não se cumpre. Mas estarei à disposição para ajudar esse clube fazendo minha função", prometeu.

MALA BRANCA

Edu Dracena também comentou a possibilidade de o Santos ser motivado pelo pagamento de uma possível "mala branca" na rodada final do Brasileirão, na qual o time poderá ajudar o Palmeiras a se livrar do rebaixamento em caso de uma boa atuação diante do Vitória. O atleta, porém, assegurou que nunca recebeu este tipo de incentivo na sua carreira e disse ser contra essa prática no futebol profissional.

"Com relação a mala branca, já faz 18 anos que jogo e nunca recebi. Se viesse me propor, não gostaria de receber. Seria injusto ganhar de outro clube. Representamos a grandeza do Santos, seria não-profissional, temos que procurar vencer", disse Dracena, lembrando que o simples fato de defender as cores do Santos já é suficiente para servir como motivação. "Temos que nos esforçarmos sempre. Somos cobrados sempre. Você é cobrado jogo a jogo, e a última impressão é a que fica", completou, minimizando o fato de que nesta sexta-feira serão completados dois meses de atraso no pagamento de direito de imagem e salário em carteira (CLT) no Santos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.