Daniel Augusto Jr. / Ag. Corinthians
Daniel Augusto Jr. / Ag. Corinthians

Na pausa, Carille tentará recuperar Clayson e dar jeito no meio-campo

Treinador ainda não conseguiu fazer o setor ofensivo do Corinthians ter regularidade na temporada

João Prata, O Estado de S.Paulo

13 de junho de 2019 | 11h29

O elenco do Corinthians se reapresenta nesta quinta-feira no CT Joaquim Grava após a derrota para o Santos por 1 a 0 na Vila Belmiro pela nona rodada do Campeonato Brasileiro. Os jogadores farão apenas um treino regenerativo e depois ganharão dez dias de folga.

O período de descanso servirá para o técnico Fábio Carille procurar uma maneira de fazer o setor ofensivo funcionar. No clássico de quarta-feira, a equipe mais uma vez passou quase todo o jogo se defendendo e não conseguiu assustar o adversário.

Nas entrevistas coletivas há mais de um mês Carille repete quase que um mantra. Primeiro diz que nunca trabalhou com 25 jogadores do atual elenco e por isso a dificuldade de entrosamento. Na sequência, promete acertar o setor ofensivo na pausa da Copa América.

O período para organizar a equipe chegou. O treinador terá a missão de deixar o ataque mais regular. Tentará encontrar uma formação ideal. Os meias Sornoza e Jadson, por exemplo, oscilam demais. E quando eles têm atuações discretas, o time não agride o adversário. Foi assim contra o Santos, quando Jadson foi o responsável pela armação das jogadas, mas esteve sumido em campo - Sornoza ficou na reserva.

Nas pontas do ataque, Pedrinho se apresentou à seleção olímpica quando parecia ter se encontrado. Agora resta saber se voltará no mesmo ritmo. Na verdade, resta saber também se ele retornará para o Corinthians. O clube autorizou a ida dele para a disputa do Torneio de Toulon para ganhar visibilidade na Europa para uma eventual negociação. Pedrinho tem contrato com o Corinthians até dezembro de 2020 e multa rescisória fixada em 50 milhões de euros (cerca de R$ 220 milhões).

O time sentiu muito também a saída do lateral-direito Fagner, que vivia grande fase. Depois que ele se apresentou à seleção brasileira, o lado direito do Corinthians perdeu força ofensiva. Junior Urso ficou sobrecarregado e seu rendimento caiu. O volante é fundamental para a rápida ligação entre o ataque e a defesa. 

No lado esquerdo, Clayson fez um bom Campeonato Paulista, mas depois caiu de produção. Titular absoluto do ataque, ele parece ter sentido a sequência de jogos. Tem errado passes curtos, arriscado menos os dribles e não tem conseguido chegar à linha de fundo para cruzar. Um pouco da sua dificuldade tem também relação com o seu parceiro no setor. Danilo Avelar é um lateral que apoia pouco. Ele tem presença na área nos cruzamentos por causa da estatura, mas  com a bola nos pés é raro vê-lo chegar ao último terço do campo.

Vagner Love é o único que escapa da má fase. O jogador vai bem onde quer que Carille o coloque para jogar. A fase era tão boa que deixou Gustagol e Boselli no banco de reservas. O primeiro também sumiu desde que se recuperou de lesão. Ele renovou contrato recentemente, mas não voltou a marcar os gols do início da temporada. O argentino ainda não encontrou seu futebol no Corinthians e terá essa pausa como última chance para mostrar seu valor ao treinador.

Com o ataque em baixa, quem pode aproveitar a oportunidade é o recém-contratado Everaldo. O jogador entrou bem nas duas últimas partidas e brigará por posição na equipe. Na intertemporada, além do período de treinamento, o clube fará dois amistosos: enfrentará o Botafogo, dia 29, em Ribeirão Preto, e jogará contra o Vila Nova, em 4 de julho, em Goiânia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.