Na reapresentação do elenco, torcida do Cruzeiro volta a fazer protesto

Críticas foram direcionadas ao presidente Gilvan de Pinho Tavares, o técnico Mano Menezes e o zagueiro Caicedo

Estadão Conteúdo

05 de julho de 2017 | 10h58

Após dois dias de folga, o elenco do Cruzeiro se reapresentou na manhã desta quarta-feira na Toca da Raposa II sob pressão. Membros de diversas torcidas organizadas do clube foram até a entrada do centro de treinamentos do clube, onde cobraram os jogadores pela fase irregular da equipe.

Esse foi o segundo protesto de torcedores do Cruzeiro nos últimos dias, pois na última segunda-feira eles foram até a sede administrativa do clube, onde criticaram o trabalho da diretoria. Agora eles aproveitaram a volta do elenco aos treinamentos para pressionarem os jogadores.

Os protestos ocorrem na sequência da derrota do Cruzeiro para o Atlético Mineiro por 3 a 1, em clássico válido pelo Campeonato Brasileiro, no último domingo, resultado que deixou o time em 13º lugar, com 14 pontos, apenas três acima da zona de rebaixamento.

Além disso, o rival também foi o algoz do Cruzeiro na decisão do Campeonato Mineiro nesta temporada. E o time foi eliminado na primeira fase da Copa Sul-Americana ao cair para o Nacional do Paraguai. Porém, a equipe ainda está viva na Copa do Brasil - empatou por 3 a 3 com o Palmeiras no jogo de ida das quartas de final.

No protesto desta quarta-feira, torcedores cercaram carros e deram socos em alguns veículos, como os do zagueiro Dedé e do meia uruguaio Arrascaeta. Mas os cânticos das cobranças se concentraram mais em três nomes: o zagueiro equatoriano Caicedo, o técnico Mano Menezes e o presidente Gilvan de Pinho Tavares, pedindo a saída deles. Além disso, cobraram a conquista da Copa do Brasil.

É nesse clima de pressão que o Cruzeiro começa a se preparar para o seu próximo compromisso. No domingo, o time vai receber o Palmeiras, no Mineirão, pela 12ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Tudo o que sabemos sobre:
FutebolCruzeiroCampeonato Brasileiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.