Alexandre Lopes/Internacional
Alexandre Lopes/Internacional

Na seleção, goleiro Alisson encontra ídolo que mal viu jogar

Atleta do Internacional terá a chance de trabalhar com Taffarel

Estadão Conteúdo

01 de setembro de 2015 | 17h33

Quando Alisson começou a entender melhor o que era ser goleiro, Taffarel já havia deixado de ser um. Mas isso não impediu que o jovem goleiro do Internacional crescesse tendo o ídolo colorado como espelho. Agora os dois estão juntos na seleção brasileira. O mais jovem, em sua primeira convocação. O mais velho, como preparador de goleiros.

"Ele era o ídolo do meu pai. Do meu irmão também. Eu ouvia aquele nome desde pequeno, sem saber direito quem era, mas aos 9 anos, quando comecei a jogar futebol, comecei a entender a importância dele", conta Alisson.

Nascido em 1992, o goleiro de 22 anos tinha cinco anos na Copa do Mundo de 1998, a última jogada por Taffarel como titular da seleção brasileira. O gaúcho, que depois não mais serviu ao Brasil, ainda passou pelo Galatasaray e encerrou a carreira em 2003, na reserva do Parma.

Natural de Santa Rosa, Taffarel cresceu no Internacional, assim como os irmãos Muriel e Alisson. "Ainda mais por ser da mesma escola, jogar no Internacional, os preparadores de goleiros citavam o Taffarel como exemplo de quem quisesse ser bem-sucedido na posição", relata.

Tudo o que sabemos sobre:
FutebolSeleção brasileiraAlisson

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.