Jason Cairnduff / Reuters
Jason Cairnduff / Reuters

Na véspera da estreia, Solskjaer diz que Manchester terá influência de auxiliares

Time terá problemas, como as prováveis ausências de Lukaku e Aléxis Sánchez, entre outros

Redação, Estadão Conteúdo

21 Dezembro 2018 | 13h42

Um dos grandes ídolos do Manchester United no fim do século passado, Ole Gunnar Solskjaer está de volta ao clube como técnico. Anunciado para a vaga de José Mourinho na terça-feira, o norueguês fará sua estreia no cargo neste sábado, contra o Cardiff. Até pelo pouco tempo de trabalho, ele admitiu que a escalação terá as mãos de seus auxiliares Michael Carrick e Kieran McKenna.

"Claro que terá, foram o Michael e Kieran que estiveram aqui a temporada toda. Eles tiveram direito a dar suas opiniões. Mas há tantos jogos pela frente nos próximos 10, 15 dias, então será sobre escolher um time que você pensa que dará resultados", declarou em entrevista à TV do Manchester.

O treinador, aliás, fez questão de elogiar seus novos auxiliares. "Kieran e Michael têm sido ótimos, preciso dizer. É ótimo voltar para casa e ver o desenvolvimento, porque joguei com o Michael, vi o quão bom técnico e administrador ele já é. Então, tem ajudado muito."

Já neste primeiro desafio, Solskjaer deve terá problemas para escalar o Manchester. Os atacantes Lukaku e Alexis Sánchez, que não treinaram nos últimos dias, devem ser desfalques. Smalling, Luke Shaw e Phil Jones também foram ausências recentemente e devem ficar de fora.

"O Romelu (Lukaku) está fora há alguns dias, então ainda não o vi", comentou Solskjaer. "Isso foi decidido antes da minha chegada, então está tudo bem. Eu ainda não vi o Alexis, porque ele também está em recuperação."

Herói do histórico título do Manchester na Liga dos Campeões de 1999, ao marcar o gol da virada sobre o Bayern de Munique, Solskjaer atuou pelo clube de 1996 a 2007. Ele foi o escolhido da diretoria para substituir interinamente José Mourinho e assinou contrato até o fim da temporada, no meio do ano que vem.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.