Ivan Storti/Santos FC
Ivan Storti/Santos FC

Na volta ao Pacaembu, Santos pega Grêmio para confirmar ascensão

Time da Baixada vem de três vitórias seguidas, a última por 3 a 0 sobre o Vasco no último final de semana

Leandro Silveira, Estadão Conteúdo

06 Setembro 2018 | 07h08

Embalado por uma sequência de três triunfos no Campeonato Brasileiro, o Santos se afastou do risco de rebaixamento e já começa a sonhar com metas maiores. E para confirmar que pode alçar voos mais elevados, encara o Grêmio, em um duro desafio, nesta quinta-feira, às 19 horas, no Pacaembu, pela 23ª rodada.

A série de triunfos sobre Sport, Bahia e Vasco não só tirou o Santos da degola como o colocou na zona intermediária da classificação e o fez acreditar ser possível mirar a conquista de uma vaga na próxima edição da Libertadores através do Brasileirão. Mas, para isso, terá de manter esse embalo pelas próximas rodadas. "O Grêmio joga igual fora e dentro de casa, tem um padrão definido. O grupo é muito bom. É um jogo importante para a gente continuar nesta recuperação", afirmou o técnico Cuca.

Nesta quinta, portanto, o Santos terá de dar uma demonstração de força diante do Grêmio, ainda que o adversário esteja bastante desfalcado. E o time gaúcho, além de ser um dos candidatos ao título nacional, traz péssimas lembranças ao Santos, pois o goleou por 5 a 1, em Porto Alegre, no turno do Brasileirão.

O confronto desta quinta com o Grêmio também representará ao Santos um retorno ao Pacaembu. Há pouco mais de uma semana, o time atuou no estádio lotado diante do Independiente, pelas oitavas de final da Copa Libertadores, sendo eliminado com a igualdade por 0 a 0. E a fúria da torcida, muito em função de punição imposta pela Conmebol horas antes, provocou prejuízos de cerca de R$ 30 mil ao clube, que precisou recompensar os custos com cadeiras quebradas.

Um dos pivôs da punição imposta ao Santos, pois foi utilizado irregularmente no confronto com o Independiente na Argentina, o meio-campista Carlos Sánchez será o principal desfalque da equipe, pois foi convocado para defender a seleção uruguaia em amistoso.

Cuca não indicou quem será o substituto do meio-campista, que vem se destacando nos compromissos recentes do Santos, mas o paraguaio Derlis González é o favorito para assumir a vaga. E caso isso se confirme, Cuca voltará a utilizar um esquema com quatro atacantes, algo que não surtiu efeito na maioria das partidas em que foi a aposta santista em 2018.

O treinador, porém, confia na grande fase do atacante Gabriel, autor de três gols diante do Vasco no fim de semana, algo que o colocou na artilharia do Brasileirão, com dez, ao lado de Pedro, do Fluminense. E mesmo com a formação extremamente ofensiva, Cuca confia no bom rendimento da defesa, que não foi vazada nesses três triunfos.

Caso tenha êxito, Cuca conseguirá fazer o time sonhar alto, mesmo em um cenário de crise política, com o presidente José Carlos Peres enfrentando um processo de impeachment. "Não tem atrapalhado. Mais uma vez vou me meter na área que não queria. Temos de ser um só. Imagina se todos fossem aliados, firmes. Como seríamos mais fortes?", questionou o treinador.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.