Nadador Rogério Romero livra-se dos óculos

Foram 16 minutos. Muito para quem é acostumado a conquistar medalhas de ouro com menos de 2 minutos de prova. Mas a vitória veio assim mesmo. O nadador Rogério Romero, de 33 anos, aposentou os óculos para correção de 5,5 graus de miopia e 1,5 de astigmatismo. "Grande parte do meu dia ainda estarei de óculos, mas esse faz parte do que eu faço e daquilo que eu gosto", vibrou o atleta, referindo-se aos óculos de natação. "Agora conseguirei enxergar melhor meus objetivos." A ansiedade era evidente no nadador antes de entrar na sala de cirurgia do Instituto de Oftalmologia de Curitiba, apesar de ter tomado calmante. "Pelo que conversei com pessoas que fizeram, a cirurgia é tranqüila e indolor. O médico também me tranqüilizou", dizia. Um dos óculos que o acompanham desde os 13 anos de idade estava nas mãos - não podia usar antes da cirurgia. Danificado há uma semana, ele estava preso com esparadrapo. "É uma parte de mim, mas não vou sentir falta", afirmou. "Se ninguém quiser vou terminar de quebrar." Sua imagem com os óculos, em cima do pódio, deve ficar no passado.Assim como as histórias. Em 1991, no Pan-Americano disputado em Cuba, Romero levou alguns segundos para perceber que tinha conseguido o ouro nos 200 metros costas, sua especialidade. "Só com um pouco de esforço vi o 1 do primeiro lugar", lembrou. A partir de agora não precisará mais comemorar tardiamente as conquistas. Nos últimos 10 anos, ele utiliza um único óculos de natação, com lente de grau. "Agora poderei utilizar novos tipos." O sucesso da cirurgia foi anunciado pelo oftalmologista Luis Geraldo de Assis Simões. "Ficou um espetáculo", vibrou. "O teste mostrou 100% de visão." Romero leu alguns papéis para mostrar que estava bem, apesar de reclamar de embaçamento. "Isso é normal", tranqüilizou-o o oftalmologista. Em Romero, ele corrigiu ainda um problema de pupila dilatada, o que dificultava a visão noturna.Já garantido nas Olimpíadas de Atenas, em 2004, nos 200 metros, Romero reinicia dentro de dez dias os treinamentos. Dono de 49 recordes brasileiros e 29 sul-americanos, o nadador já esteve em quatro olimpíadas, conseguindo a melhor colocação em Sidney, quando ficou em sétimo lugar. Na última disputa internacional, conquistou o ouro nos 200 metros no Pan-Americano de São Domingos. Da última competição, o Troféu José Finkel, na semana passada, em Santos (SP), ele trouxe uma medalha de ouro e uma de prata.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.