Glyn Kirk/AFP
Glyn Kirk/AFP

Nadal recebe troféu de nº 1, mas terá de torcer para seguir no ATP Finals

Espanhol encerra participação na primeira fase com vitória sobre Stefanos Tsitsipas por 2 sets a 1

Redação, Estadão Conteúdo

15 de novembro de 2019 | 15h10

Garantido como líder do ranking mundial até o final do ano, Rafael Nadal fechou campanha na primeira fase do ATP Finals com uma vitória sobre o grego Stefanos Tsitsipas por 2 sets a 1, de virada, com parciais de 6/7 (4/7), 6/4 e 7/5, nesta sexta-feira, em Londres.

Esse foi o segundo triunfo do espanhol em três jogos disputados nesta edição do torneio que reúne os oito melhores tenistas da temporada na capital inglesa. E após o confronto, ele recebeu o troféu da ATP pelo fato de que fechará este 2019 como número 1 do mundo, o que lhe foi garantido já na última quinta-feira, com a eliminação de Novak Djokovic, derrotado pelo suíço Roger Federer e único que iniciou a competição na Inglaterra com chances de alcançar o topo do ranking.

Apesar da vitória sobre Tsitsipas, que já havia garantido vaga na próxima fase do ATP Finals ao ganhar os seus dois primeiros jogos no Grupo Andre Agassi, Nadal terá de torcer para um tenista que ele próprio acabou eliminando para poder avançar às semifinais no ATP Finals. No caso, o líder do ranking encerrou, ao superar o grego, as chances de classificação do russo Daniil Medvedev, que acumula duas derrotas em dois jogos e se despedirá da competição nesta sexta, às 17 horas (de brasília), em partida com o alemão Alexander Zverev, atual campeão.

E apenas uma vitória do russo neste duelo manterá o espanhol de 33 anos vivo na luta pelo título do ATP Finals, torneio que ele nunca conquistou. Isso pelo fato de que Zverev tem o mesmo saldo zero de sets de Nadal, que ganhou quatro parciais e perdeu outras quatro em sua campanha. O alemão, que superou justamente o número 1 do mundo em sua estreia, foi superado por Tsitsipas na segunda rodada desta chave e acumula dois sets vencido e dois perdidos.

Porém, se for derrotado pelo já eliminado Medvedev, que ganhou uma parcial e perdeu outras quatro no torneio, Zverev ficará fora das semifinais porque Nadal terminaria na frente por ter duas vitórias, contra apenas uma do alemão.

E em caso de vitória de Medvedev, Nadal se classificará ainda como líder deste Grupo Andre Agassi e terá pela frente Roger Federer, que avançou como segundo colocado do Grupo Bjorn Borg, em uma das semifinais deste sábado. O espanhol iria à próxima fase ocupando o topo, neste caso, pelo fato de levaria vantagem sobre Tsitsipas no critério de desempate confronto direto. Já quem terminar esta chave na vice-liderança enfrentará nas semifinais o austríaco Dominic Thiem, que foi à próxima fase como primeiro colocado do Grupo Bjorn Borg.

No jogo que fez nesta sexta-feira contra Tsitsipas, atual sexto colocado do ranking mundial, Nadal confirmou todos os seus saques no primeiro set, assim como o seu oponente. O fato forçou a disputa do tie-break, no qual o grego foi um pouco melhor e fez 7/4 para abrir vantagem.

Na segunda parcial, porém, o espanhol aproveitou uma das quatro chances que teve de quebrar o serviço do seu rival, confirmou todos os seus saques e aplicou 6/4 para empatar o jogo. No set de desempate, o favorito voltou a ser eficiente com o seu serviço e converteu um de cinco break points para fechar o duelo com um 7/5.

Depois do jogo, na cerimônia de entrega do troféu de número 1 do mundo que recebeu, Nadal festejou o fato de conseguir terminar, com a idade que tem hoje, uma temporada como líder do ranking pela quinta vez, igualando um feito obtido também por Djokovic, Federer e pelo norte-americano Jimmy Connors.

"Estou super feliz. Sinceramente, depois de tudo que eu passei em minha carreira, com as lesões, nunca pensei que com 33 anos e meio teria este troféu em minhas mãos", admitiu o espanhol, que chegou a esta edição do ATP Finals em condições físicas incertas depois que uma distensão abdominal o impediu de disputar a semifinal do último Masters 1000 de Paris.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.