Loic Venance/AFP
Loic Venance/AFP

Nantes aciona a Fifa para receber parte do valor da venda de Sala ao Cardiff

Clube francês cobra Cardiff pelo valor prometido pela transferência de argentino, que morreu em acidente aéreo

Redação, O Estado de S. Paulo

27 de fevereiro de 2019 | 13h12

Uma pessoa com conhecimento do caso e próxima ao Nantes revelou que o clube francês acionou formalmente a Fifa para poder começar a receber do Cardiff, do País de Gales, parte do valor da transferência do atacante argentino Emiliano Sala, que morreu em um acidente aéreo ocorrido no mês passado.

Em condição de anonimato por alegar que não estava autorizado a falar publicamente sobre o assunto, essa fonte ligada ao Nantes disse que o clube quer que o time galês pague a primeira parcela da transação de 17 milhões de euros (cerca de R$ 72 milhões), que foi a contratação mais cara da história da equipe que atualmente disputa a primeira divisão do Campeonato Inglês.

Essa parcela seria de 6 milhões de euros (aproximadamente R$ 25 milhões) e, segundo informação da agência de notícias The Associated Press, a Fifa recebeu "uma reivindicação do Nantes contra o Cardiff City em conexão com a transferência" do jogador argentino.

Sala acabou morrendo de forma trágica antes de estrear pelo clube galês. Em 21 de janeiro, o jogador deixou Nantes rumo ao Reino Unido, onde faria o primeiro treino pelo seu novo time, depois de ter sido contratado na última janela de transferências da Europa. Porém, o avião de pequeno porte que transportava o atleta desapareceu dos radares no Canal da Mancha e não chegou ao destino final.

A aeronave só foi encontrada no dia 3 de fevereiro, com a ajuda de um barco particular e um equipamento sonar de última geração contratado pela família e agentes do atleta. As peças estavam no fundo do mar, a aproximadamente 38 quilômetros ao norte da ilha de Guernsey, na Grã-Bretanha. O corpo do jogador foi retirado do mar no último dia 6 e identificado no dia seguinte, por meio de exames de DNA.

Dirigentes do Cardiff afirmaram que estão "coletando informações" das circunstâncias do acidente aéreo e que esperam pela conclusão das investigações do ocorrido. Se possivelmente uma parte da responsabilidade pela tragédia for creditada ao Nantes pelas autoridades, o clube galês teria maiores chances de reduzir o prejuízo que vai sofrer com o pagamento de um valor recorde na história do time na aquisição de um atleta que faleceu antes mesmo de fazer a sua estreia.

O Nantes alega que o Certificado Internacional de Transferência (CIT), com o registro da contratação de Sala pelo Cardiff, já havia sido emitido antes do acidente e que, por isso, o atacante já estaria sob responsabilidade do clube galês.

Um primeiro relatório da investigação que apura as causas do acidente, divulgado na última segunda-feira, revelou que o avião que transportava Sala e o piloto da aeronave, David Ibbotson, não possuíam as licenças obrigatórias para realizar voos comerciais.

Minutos antes de embarcar neste voo, Sala enviou um áudio para amigos e na mensagem, de 57 segundos, criticou as condições do avião e disse que estava com medo de que ocorresse um problema. "Estou aqui em cima, em um avião que parece que está a cair os pedaços e estou indo para Cardiff logo pela manhã", afirmou, em um dos trechos do áudio, que foi divulgado pela imprensa argentina. "Se em uma hora e meia não tiver novidades minhas, não sei se vão mandar alguém me buscar, porque não vão me encontrar mais... já sabe. Deus! Que medo eu tenho", desabafou, em outra parte de sua gravação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.