'Não dá para jogar a toalha', diz Vágner Mancini no Botafogo

Mau futebol apresentado em campo aliado à crise do clube indicam que o caminho do time carioca deve mesmo ser a Série B em 2015

Estadão Conteúdo

23 de outubro de 2014 | 10h01

A 16.ª derrota em 30 jogos no Campeonato Brasileiro, na última quarta-feira, para o Coritiba, levou o Botafogo à penúltima colocação na tabela, com apenas 30 pontos. O mau futebol apresentado em campo aliado à crise do clube fora das quatro linhas indicam que o caminho do time carioca deve mesmo ser a Série B em 2015. O técnico Vágner Mancini, no entanto, não quer saber de "jogar a toalha" e já mira o clássico de sábado com o Flamengo, na Arena Amazônia.

"Temos que lutar até o fim, não dá para jogar a tolha", declarou. "Nós permitimos o desânimo apenas no vestiário depois do jogo. Daqui a meia hora já temos que pensar no Flamengo. Não adianta ficar chorando. O futebol nos dá novas oportunidades. Os jogadores têm emocional para isso, se não tivessem não passavam do juvenil. Sábado precisamos de um melhor desempenho."

Se o resultado não foi o esperado na última quarta, dois jogadores foram os principais responsáveis por isso. O primeiro foi o volante Airton, expulso ainda no primeiro tempo ao tomar o segundo cartão amarelo por matar contra-ataque com falta no meia Alex. Mancini lamentou a expulsão.

"Não dá para jogar com um a menos no futebol de hoje. Perdendo a partida e tendo um expulso ainda no primeiro tempo, é humanamente impossível, apesar de termos melhorado na etapa final. O Coritiba se fechou e quis jogar no contra-ataque. Lamentamos que as chances que criamos não tenham sido convertidas", disse.

O segundo vilão do dia foi o atacante Rogério. Já no segundo tempo, quando o time carioca tinha um jogador a menos e perdia por 1 a 0, ele saiu de frente para o goleiro Vanderlei, driblou e ao invés de bater para o gol preferiu tentar cavar o pênalti. O árbitro viu o lance e aplicou o cartão amarelo no jogador botafoguense.

"Foi o lance do jogo. Com um a menos, o jogador entra na área, dribla (o goleiro) e cai. Ninguém entendeu. Perguntei a ele no vestiário, ele abaixou a cabeça, sabe que errou. No campo já dava para ver o semblante dele. Óbvio que o jogador fica chateado", comentou Mancini.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.