Juan Medina/Reuters
Juan Medina/Reuters

'Não é fácil voltar ao nível que Zidane deixou', diz Kroos, no Real

Equipe espanhola tem mostrado dificuldade em campo e teve atuações desastrosas na pré-temporada

Redação, Estadão Conteúdo

05 de agosto de 2019 | 17h22

Entre 2016 e 2018, o Real Madrid era o time a ser batido na Europa. Com Zinedine Zidane no comando, o time de Madri conquistou neste período o tri da Liga dos Campeões e o bi do Mundial de Clubes da Fifa. Mas o francês deixou a equipe em maior do ano passado e tudo desandou. Dois técnicos passaram sem sucesso pelo clube - Julen Lopetegui e Santiago Solari - e a solução da diretoria foi trazer de volta o ídolo, que tenta fazer a equipe engrenar.

Para o meia alemão Toni Kroos, peça chave do time do técnico francês, admitiu que resgatar aquele futebol não é tarefa fácil. "Não é fácil levar uma equipe de volta ao nível que Zidane tinha deixado. O Real estava em uma situação muito diferente da de quando ele volta, em meados de março, em comparação ao que ele deixou em maio de 2018", afirmou o jogador em entrevista à revista alemã Kicker.

Nesta pré-temporada, o Real Madrid tem mostrado dificuldade em campo e teve atuações desastrosas como a goleada sofrida para o rival Atlético de Madrid por 7 a 3, nos Estados Unidos. Kroos não vê problema nisso e ressalta que o objetivo principal agora é voltar a jogar bem. "Queremos jogar o melhor futebol e de maneira mais consistente possível. Isso é o mais importante. Se jogarmos bem, estaremos na disputa dos títulos", disse.

O meia exaltou a formação do elenco para esta temporada, mas admitiu que não existe a pretensão de conquistar três Ligas dos Campeões consecutivas, como aconteceu entre 2016 e 2018. "Estão criando um projeto que durará anos, não só para esse momento. Queremos jogar o melhor futebol possível e sermos mais consistentes. O resto, virá depois", comentou.

"Não podemos pensar em repetir os que fizemos em três anos anteriores, ganhando a Liga dos Campeões três vezes seguidas. Não temos esse objetivo, mas também era impossível alcançar isso naquele momento", ressaltou Kroos, que não deixou de falara sobre a seleção da Alemanha, que teve alguns jogadores campeões do mundo em 2014 se aposentando.

"Creio que temos a oportunidade de vencer a Euro (em 2020), caso contrário eu nem jogaria. Mas depois de vencer uma Eurocopa, ai seria um bom momento para pensar na aposentadoria da seleção", completou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.