Paulo Novais/EFE
Paulo Novais/EFE

'Não há muitos jogadores que conseguem parar Cristiano Ronaldo', diz Tabárez

Uruguai enfrenta Portugal neste sábado, em Sochi, pelas oitavas de final da Copa do Mundo

Marcio Dolzan, enviado especial / Sochi, O Estado de S.Paulo

29 Junho 2018 | 17h00

Uruguai e Portugal fazem neste sábado, às 15 horas (de Brasília), em Sochi, um dos grandes duelos das oitavas de final da Copa do Mundo. A equipe sul-americana chega credenciada como uma das três a terminar a primeira fase do Mundial com 100% de aproveitamento e apostando na dupla de ataque formada por Cavani e Suárez, enquanto os europeus esperam contar mais uma vez com grande atuação de Cristiano Ronaldo, autor de quatro gols até aqui e grande responsável por classificar sua seleção às oitavas.

Para o técnico uruguaio Óscar Tabárez, parar o atacante português será uma meta difícil. "Não há muitos jogadores que conseguem isso", disse neste sábado.

Tabárez não quis prever como será a partida. "Os protagonistas são os jogadores, desde que o árbitro apita até terminar. Fizemos tudo para estar bem preparados e vamos tentar vencer, esse é sempre o objetivo. O adversário tem muita qualidade e não vai ser fácil. As duas equipas têm pontos fortes", considerou.

 

Ao seu estilo, demonstrando alguma resignação, o treinador falou sobre sua preocupação com Cristiano Ronaldo. "É um grande atacante, com grande potencial. O Ronaldo, além de tudo, é o líder da equipe, o que é um fator adicional. Não há muitos jogadores que consigam pará-lo. Vamos tentar limitar o impacto que ele pode ter no jogo", ponderou Tabárez.

O experiente técnico uruguaio ressaltou ainda a necessidade de sua equipe dividir as atenções também com o restante da seleção portuguesa. "Eles foram os últimos campeões europeus", lembrou. "Ao nos prepararmos para o jogo, nos focamos no adversário levando em consideração todos os jogadores."

SUÁREZ

Além de valer vaga às quartas de final da Copa, a partida colocará em lados opostos dois rivais por clubes na Espanha: Cristiano Ronaldo, do Real Madrid, e Luis Suárez, do Barcelona. Mas o atacante uruguaio preferiu deixar a rivalidade clubística em segundo plano e ressaltar a importância da partida no contexto de uma Copa do Mundo.

"É totalmente diferente, a rivalidade que temos com Cristiano lá (na Espanha) é diferente. Sempre tratamos de competir cada um por seu clube e tentando fazer o melhor. Aqui é uma Copa do Mundo, o sentimento é de cada um fazer o melhor para sua seleção, para o seu país. É especial", afirmou Suárez. "Vai ser um grande jogo e todo mundo vai querer fazer o melhor para que sua equipe continue avançando."

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.