Francisco Leong/AFP Photo
Francisco Leong/AFP Photo

'Não me preocupo com recordes', diz Cristiano Ronaldo após nova marca histórica

Atacante da seleção portuguesa se tornou o maior artilheiro da Europa superando Puskas

Gonçalo Junior e Jamil Chade, enviados especiais/Moscou, O Estado de S.Paulo

20 Junho 2018 | 13h34

O atacante Cristiano Ronaldo se tornou nesta quarta-feira o maior artilheiro europeu em jogos internacionais da história. O gol da vitória por 1 a 0 sobre Marrocos foi o 89º do atacante do Real Madrid pela seleção portuguesa. Ele superou Ferenc Puskas, que marcou 88 gols em 89 jogos pelas seleções da Hungria e da Espanha nas décadas de 1950 e 1960. O astro português acumula 151 partidas disputadas desde que estreou com a camisa de seu país, em 2003.

+ Cristiano Ronaldo assume artilharia da Copa e Portugal elimina o Marrocos

+ Técnico de Marrocos se diz 'orgulhoso' de time e vê falta de Pepe em lance de gol

+ 'Muito feliz', Cristiano Ronaldo contém euforia ao mirar vaga e ponta do Grupo B

"Não me preocupo com os recordes. O mais importante era ganhar hoje para conquistar os três pontos. Jogamos diante de um time qualificado, que jogou muito tempo. Estamos com quatro pontos e estamos a um passo de conseguir a classificação, que é o nosso objetivo principal. Obviamente estou feliz por ter marcado o gol da vitória e agora é continuar", disse o atacante, escolhido o melhor em campo pela Fifa na partida em que Portugal encerrou as chances de classificação do time africano às oitavas de final da Copa do Mundo da Rússia.

Em Mundiais, o desempenho de Ronaldo era discreto até esta edição da competição. Tinha disputado 13 partidas de Copas, na Alemanha, África do Sul e no Brasil, e marcado apenas três gols. Na Rússia, seu desempenho tem sido exuberante. Na estreia diante da Espanha, fez gol de falta, de pênalti e em chute de fora da área. Diante de Marrocos, assinalou um de cabeça aos 4 minutos de jogo.

O atual artilheiro isolado da Copa do Mundo, com quatro gols, também explicou a razão do novo gesto que vem fazendo, no qual coça o queixo após os gols. Trata-se de uma aposta com o companheiro Quaresma e não uma provocação a Messi, como chegou-se a cogitar de que seria.

 

"Foi uma brincadeira que eu fiz com o Quaresma. Estávamos na sauna. Fizemos uma aposta e prometi que se fizesse um gol contra a Espanha ia deixá-la até o final do Mundial. Deu sorte. Por isso, comentei", disse o atacante.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.