?Não posso ficar marcado pelo pênalti?, diz Trezeguet

David Trezeguet foi o grande vilão da França na decisão por pênaltis. O atacante da Juventus, de Turim, foi o único a errar a cobrança na final - acertou o travessão de Buffon -, mas não admitiu, de jeito nenhum, carregar a culpa. ?Tive personalidade para cobrar, faz parte do futebol, não posso ficar marcado por isso?, declarou o jogador, abatido, nos vestiários do Estádio Olímpico de Berlim. ?O time teve 120 minutos para ganhar o jogo e não conseguiu.?Trezeguet, de 28 anos, vive fase ruim. Não tem conseguido jogar bem na Juventus, nem na seleção francesa. Por isso, ficou no banco durante o Mundial. Neste domingo, entrou na prorrogação, mas não contribuiu em nada com a equipe. Após o jogo, os atletas isentaram de culpa tanto Trezeguet quanto Zidane, expulso no tempo extra. A maioria considerou injusto o placar. E com razão. A Itália não jogou absolutamente nada no segundo tempo da partida e nos 30 minutos de prorrogação. Apenas defendeu-se. Faltou o gol para a França. Apesar de aborrecidos, os franceses exaltaram a boa campanha do time, que chegou à Alemanha bastante desacreditado. ?A França fez muito mais do que dela se esperava, acho que nosso grupo é vencedor?, comentou Thierry Henry, que não chegou a brilhar no Mundial, embora tenha feito alguns bons jogos. O vice-campeonato marca o fim de uma geração vitoriosa - um título mundial, em 1998, e um título europeu, em 2000. Além de Zidane, vão deixar a seleção Thurram, Makelele, Wiltord e o goleiro Fabien Barthez. A saída de Barthez é, por sinal, um alívio para os franceses. Sua escalação foi, talvez, o grande erro do técnico Raymond Domenech durante a campanha na Alemanha. Coupet, apontado como melhor goleiro da última temporada na França, ficou no banco. Injustamente. Ele é, hoje, muito melhor que o titular. Barthez tentou "entregar" o jogo contra o Brasil. Não conseguiu. Contra Portugal fez lambanças. Soltou uma bola fácil na cabeça de Figo. Mas o português desperdiçou a oportunidade. Ontem, mais uma vez, mostrou insegurança. E falhou no lance do gol da Itália, feita por Materazzi. Ficou no meio do caminho no momento do cruzamento de Pirlo e permitiu que o zagueiro arrematasse com tranqüilidade. Nem saiu para tentar tirar a bola, nem ficou embaixo da meta, o que poderia lhe permitir evitar o gol.Barthez chegou a 17 jogos em Copas do Mundo e se tornou o atleta com maior número de partidas pela seleção francesa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.