Gonçalo Junior/Estadão
Régis Santana, pai da suposta vítima de abuso sexual no Santos Gonçalo Junior/Estadão

'Não quero nada do Santos. Quero que o pedófilo pague pelo que fez'

Régis Santana, pai de ex-jogador do Santos que teria sofrido abuso sexual na base, critica a postura do clube

Gonçalo Junior e Renan Cacioli, O Estado de S.Paulo

19 de abril de 2018 | 07h00

Régis Santana, o pai de Ruan Petrick, ex-jogador do Santos que teria sofrido abuso sexual nas categorias de base do clube, interrompe a conversa com o Estado várias vezes. E chora. O locutor soube dos abusos, que teriam acontecido oito anos atrás, apenas na semana passada, quando Ruan teve a possibilidade de voltar ao Santos, mas não quis. O motivo: medo de reencontrar o coordenador, na época olheiro, que teria abusado dele. Régis afirma que tem dois filhos com potencial para o futebol, mas dificilmente a família terá novos jogadores.

+ Polícia investiga novos casos de abuso sexual no Santos

+ Santos afasta coordenador da base após denúncia de abuso sexual

Por que o Ruan demorou tanto tampo para contar o que havia acontecido com ele?

Ele falou que estava com medo e com vergonha. Medo de ficar marcado por isso e vergonha do que as pessoas iam pensar. Além disso, ele queria ser jogador de futebol e ele sabia que denunciar esse caso poderia acabar com a carreira dele. Ele se sentiu preparado e falou que não ia mais sofrer.

Como ele está agora?

Está firme, está sereno, mas só de olhar para ele eu tive muitas respostas para perguntas que eu me fazia nos últimos anos.

Como assim?

Ele sempre foi um menino triste e cabisbaixo. O delegado falou que dava para perceber como ele estava sofrendo.

O senhor acha que isso prejudicou a carreira dele?

Isso matou a carreira dele. Ele passou por vários clubes e as pessoas diziam que ele tinha problemas disciplinares. Ele começou a beber. Mas eu não sabia a raiz dos problemas. Hoje, eu sei o motivo.

Como o senhor se sente?

Não gostaria que ninguém passasse por isso. Não queria abraçar meu filho e pensar em tudo o que ele passou.

O senhor falou com alguém do Santos?

Sim, eu fui lá ontem (terça-feira). Eu fui contar para eles tudo o que tinha acontecido. Na primeira conversa, ele mostraram certo interesse em defender o Lica. Quiseram mostrar que meu filho estava sendo usado pela oposição para atingir o presidente e que era um problema político.

O que o senhor respondeu?

Falei que meu filho não tinha necessidade de mentir. Não tenho relação nenhuma com a política do Santos. Eu sou de Marabá. Eles só mudaram o rumo da conversa quando eu disse que eu estava lá no dia em que meu filho sofreu abuso. Eu estava lá em 2010, na mesma casa. Eu apertei a mão do Lica e agradeci pela chance de jogar no Santos. À noite, ele foi aliciar meu filho. Quando disse isso, eles abaixaram um pouco o tom. Eles afastaram o Lica do cargo, mas eu acho que o Santos está protegendo um pedófilo. Não acreditaram muito na minha conversa.

Hoje, o que o senhor pensa sobre o Lica?

Ele é um monstro. Um bandido. Quando eu fui falar com ele lá atrás, antes de saber dessas coisas, ele me disse que meu filho era um craque e que tinha um grande futuro no Santos. Mas ele nem tinha visto meu filho jogar futebol. Como pode isso?

O que o senhor pretende fazer?

Não quero nada do Santos. Não quero que meu filho jogue no Santos. Nem indenização. Mas quero que ele pague pelo que ele fez com meu filho e comigo. Eu repito: eu estava lá.

O senhor vai ficar em São Paulo ou na cidade de Santos?

Vou voltar para minha cidade. Sou de Marabá. Se eu não conseguir nenhum clube para o meu filho, ele volta comigo para jogar lá.

O Ruan joga futebol lá?

Sim, ele joga na seleção de Ipixuna do Pará, cidade próxima à Marabá. Ele é meia-esquerda, sabe jogar.

O senhor acha que ele poderá voltar a jogar?

Ele está treinando na Portuguesa Santista, foi o clube que abriu as portas para ele, mas o futuro dele é incerto. Não sei o que vai acontecer. As portas podem se fechar de vez. Mas espero que alguma se abra. Surgiu um interesse da Áustria.

E a mãe dele?

Eu sou separado dela há vários anos. Ela ainda não sabe. Vai ficar sabendo pelos jornais, mas não vai querer que ele jogue mais. Acho que a família inteira vai abandonar o futebol.

Existem outras jogadores na família?

Tenho nove filhos. Os dois mais novos são bons de bola. Já falaram para eu levá-los em algum clube para fazer testes. Eu estava até com esperança até agora. Mas agora não vai dar mais. A gente vai ficar sempre pensando no que aconteceu.

O senhor não vai querer que eles continuem a carreira?

Vai ser difícil. É um sonho que acabou. Vão encerrar a carreira sem ter começado a jogar futebol de verdade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Futebol da Argentina também tem denúncias de abuso sexual em equipes de base

Escândalos vieram à tona em River Plate e Independiente e estão em fase de investigação

Gonçalo Junior e Renan Cacioli, Estadão Conteúdo

19 de abril de 2018 | 07h00

Um escândalo de abuso sexual envolvendo menores de idade abalou a imagem de dois grandes do futebol argentino: River Plate e Independiente. No início de abril, a promotora do caso, Maria Soledad Garibaldi, afirmou que ao menos sete menores teriam sido vítimas de uma rede de prostituição e outros 10 foram identificados como vítimas em potencial.

Seis pessoas foram presas, entre elas um árbitro e um dirigente que organizava competições de categorias inferiores. Um jogador do Independiente, de 19 anos, que não teve a identidade revelada, era o aliciador.

O escândalo veio à tona em março, quando o próprio Independiente denunciou que um jogador juvenil supostamente prostituiu vários meninos entre 14 e 16 anos. O caso foi revelado quando um dos atletas não se conteve durante uma sessão com um psicólogo. Ele relatou ter sido abusado e ter feito sexo com homens em troca de dinheiro, além de afirmar que outros jogadores foram recrutados para a rede de prostituição por outro sócio do clube.

O River Plate está colaborando com as autoridades e Dante Majori, presidente da Comissão de Futebol Juvenil e Infantil da Associação de Futebol Argentino (AFA), afirmou que as acusações estão sendo levadas a sério.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.