Sérgio Neves/AE
Sérgio Neves/AE

'Não saio, nada me tira do Palmeiras', afirma o técnico Luiz Felipe Scolari

Treinador admite ter inimigos dentro do clube, mas descarta possibilidade de sair

ESPN

19 de agosto de 2011 | 00h30

SÃO PAULO - Nem o empate dentro de casa com o Bahia, nem a conturbada situação política nos bastidores do Palmeiras tiraram do sério o técnico Luiz Felipe Scolari, nesta quinta-feira à noite, no Canindé. Apesar da notícia, publicada pelo O Estado de S. Paulo de que Roberto Frizzo, vice-presidente de futebol, já teria acertado com Paulo César Carpegiani no caso de uma eventual troca de treinador no clube, Felipão demonstrou tranquilidade ao comentar o assunto.

E o comandante alviverde foi além. Garantiu que, apesar dos problemas internos, ele nem sequer cogita a hipóteses de deixar o clube.

"Nada me tira do Palmeiras. Eu fiz todo um planejamento, imaginei a minha vida trabalhando pelo Palmeiras, imaginei o Palmeiras crescendo. Mudei a minha vida, minha família, trouxe todo mundo para cá. Posso garantir, sem falsa modéstia que tenho dez propostas por ano para sair, mas não vou sair. Nada me tira. Às vezes me dá uma mágoa porque existem coisas tão fáceis de serem feitas, mas não seguem o caminho que deveria seguir. Mas não quero sair, não vou sair", garantiu Felipão, que demonstrou bom humor ao contar que conversou com Carpegiani por telefone nesta quinta-feira.

"Conversei com o Carpegiani, somos amigos de 1975. Assim como o nome do Carpegiani foi colocado hoje, semana que vem vai ser o do Pedro, porque sempre tem um problema dentro do Palmeiras que não permite ter tranquilidade. Se não fosse o Carpegiani, talvez fosse o Parmegiani. Não se de onde sai isso", ironizou.

No entanto, Scolari reconheceu que tem inimigos dentro do clube. O treinador preferiu não citar o nome do dirigente que atrapalha o seu trabalho, mas garantiu que tem boa relação com o elenco, com o presidente Arnaldo Tirone e mesmo com Roberto Frizzo.

"Eu tenho mes inimigos, conheço meus inimigos, mas não preciso ficar revelando nada. Isso não vai mudar minha relação com o Tirone, com o Frizzo e nem com os jogadores, porque a relação que eu tenho com as pessoas que trabalho dia a dia é boa. Acabei de conversar com o Tirone e vamos trabalhando para atingir nossos objetivos", afirmou.

Ao ser questionado sobre o seu relacionamento com Frizzo, com quem teria divergências, Felipão negou qualquer problema maior. "A relação é normal, de diretor para treinador. Não tenho amizade com ele fora do trabalho, é uma relação boa de profissional para profissional."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.