Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

'Não somos mercearia, não vamos vender', avisa diretor do Corinthians

Flávio Adauto diz que principal "reforço" do líder do Campeonato Brasileiro é manutenção do elenco

O Estado de S.Paulo

17 de agosto de 2017 | 13h44

Em participação no programa Estadão Esporte Clube, nesta quinta-feira, o diretor de Futebol do Corinthians, Flávio Adauto, afirmou que já está montando o planejamento para 2018 e que o principal "reforço" do líder do Campeonato Brasileiro para a próxima temporada será a manutenção do atual elenco. 

"O grande reforço vai ser não perder jogadores. Se perder, vão ser jogadores que não atuam pelo clube, como o Léo Jabá ou jogadores que estão emprestados. Do elenco não vamos perder. Se oferecerem 30 milhões de euros por um jogador do Corinthians, entregamos em janeiro. Respondemos a alguns que vieram negociar que não somos uma mercearia, não vamos vender. Ofereceram valores que não significam nada, mesmo com as dívidas e todos os problemas que temos", afirmou Adauto.

Confira abaixo os principais trechos da entrevista:

Sobre o momento do Corinthians

"É surpreendente. Nem tanto ao céu nem tanto à terra, falavam como se o nosso time fosse de segundo classe. Não se pode falar dos quatro grandes paulistas como candidatos ao rebaixamento antes de começar o campeonato. Foi uma injeção de ânimo a um grupo desacreditado. O negócio de quarta força acabou ajudando."

Escolha de Carille

"Tive medo. Assumi em outubro, depois saiu Oswaldo de Oliveira, naveguei por outros nomes, não nego, e a solução estava do nosso lado. Aí deixamos o Carille trabalhar, e também era difícil dar condições pra ele trabalhar, porque o mercado está maluco. Queríamos um médio volante e quem indicou não fui eu, não foi o Carille. Foi o Oswaldo de Oliveira. Aí você vai montando o time com os recursos que tem."

Emerson Santos

"O empresário ofereceu, admitimos que tínhamos interesse. Depois, ele trouxe pai e mãe de jogador. Aí, quando fizemos a proposta, ele foi correr o mercado. Desde o início avisamos que não entraríamos em leilão, que não subiríamos proposta por ninguém, porque não é possível fazer. Depois, vimos a foto do Alexandre Mattos cochichando no ouvido e agora o Palmeiras anunciou."

Salários

"Estou feliz pra burro porque os salários estão todos em dia. Passava vergonha, reunia com os jogadores em dezembro, todos de cabeça baixa. O dia mais feliz para mim tem sido o dia antes do pagamento, porque conseguimos cumprir os compromissos."

Categorias de base

No sábado, vimos a maior e melhor atuação de um zagueiro da base do Corinthians no sub 20, contra o Palmeiras. Será que a solução não está tão próxima da gente como estava o Carille? O Pedro Henrique ficou estigmatizado por um lance no ano passado e agora é bastante elogiado. Ele entrou e substituiu dois jogadores experientes, está adquirindo confiança. Será que as soluções estão tão distantes?

Finanças

"Discutimos prêmios com os jogadores, com o grupo dos mais experientes, e eles entendem, mesmo com valores baixos para o futebol profissional, sabem que fazemos o possível. Em dezembro eu disse: 'não vai ter dinheiro para pagar os salários desse mês, garantimos que as férias e o 13º iriam receber mais para a frente. Eles disseram que não tinha problema, que liam jornais e viam mídias sociais e sabiam que a situação era parecida nos outros clubes. Os mais experientes passaram tranquilidade para o grupo."

Patrocínio Master

Corinthians não aceitou o que os outros aceitaram. Se auto-intitulou na ponta e não aceitou por menos. Não foram aceitas propostas que contrariavam o que o Corinthians achava. Prefiro jogar com a camisa limpinha assim. E o Corinthians não morreu. O diretor de marketing me disse 'vai ter hora que a camisa vai ser supérfluo porque as mídias sociais geram outras oportunidades. As coisas vão mudar. Foi por orgulho, mas o corintiano tem direito de ser orgulhoso em alguns casos, não passando por cima dos outros, mas sabendo o seu valor."

Elenco

Não concordo em dizer que o elenco era ruim. Cássio é um baita de um goleiro, estava em má fase, mas é bom; Fagner é bom lateral-direito; Balbuena já era um bom zagueiro, e agora é melhor. Maycon tínhamos certeza que seria um dos melhores volantes do Brasil. O Jô já entrou bem, eu acreditava bastante no Jô, por questões pessoais, depois de conviver com ele e ver o que ele falava comigo, que só pensava em mulher e bebida e tinha mudado. Veja que nós fizemos essa análise já com uma expectativa de que eles subissem, até porque não tinha outra alternativa. Precisa de um camisa 10, fomos brigar pelo Jadson, demorou três meses. Outro foi o Gabriel, que dependíamos do Palmeiras comprar o Felipe Melo, se o Palmeiras exercesse opção de compra ele ficava lá. Não atravessamos ninguém, mas brigamos por ele. Não tínhamos o Pablo, mas tínhamos estudos de quando ele saiu da Ponte e foi pro Bordeaux.

Campeonato Brasileiro

Vamos jogo a jogo, passo a passo, o nosso jogo é sempre o de sábado. O elenco é pequenininho, acabamos saindo da Copa do Brasil, mas acabou sendo bom. Podemos chegar na Libertadores pelo Brasileiro ou pela Sul-Americana.

Venda de jogadores

Vai ter que pagar o que vale, e não vai levar pro preço de banana. Rodriguinho ficou chateado porque ofereceram um salário muito maior na Turquia, mas negamos. Quando acabou o Paulista, ele era o mais feliz por ter ficado. Quando acabar a janela de transferência de agosto, não vai sair ninguém, aí vamos fazer uma avaliação das propostas recebidas. No caso do Arana começaram em três milhões de euros e uma parte dos direitos do Pablo. Agora já falam em 15 milhões de euros. Começamos a conversar em 20 milhões de euros, mas só para o ano que vem.

Libertadores

O planejamento é não ter um elenco tão reduzido. Não temos, no momento, um reserva para o Jô, mas o Carlinhos está sendo testado e, se evoluir, pode ser ele se o Carille aceitar. Um reserva para o Romero pode ser o Clayson. Temos a pretensão que o Walter fique, mas se for importante para ele, pode fazer o caminho que achar melhor. Nesse momento, concordamos que o melhor para o Walter é ficar no Corinthians, que financeiramente a proposta era boa para ele, mas ele ia para um time bagunçado. Se sair, podemos repatriar o Douglas (que está no Avaí). Paulo Roberto já está tudo acertado para renovar.

Ambiente

É um time família. Temos feito churrascos, para confraternizar, boa parte deles levam mulher, levam filho, e 90% dos jogadores estão tomando Coca-Cola e água. Está liberado o chopp e ninguém toma porque eles não querem. Eu não montei esse grupo, o Carille não montou, eram jogadores que já estavam lá e fomos completando com peça.

Naming Rights do estádio

Não tenho resposta. É um negócio complexo, envolve muitas vertentes, construtora, Caixa Econômica, BNDES, e não tenho conhecimento de tudo, então não consigo responder. O Conselho vai debater esse assunto dia 30, eu não vou porque não tenho direito a voto, mas os conselheiros podem discutir. Eu corro risco de falar de arena, de dívidas, porque não tenho conhecimento total do assunto, como grande parte dos conselheiros não tem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.