'Não tem o que questionar', exalta técnico do Cruzeiro sobre goleada

A equipe mineira supera o Universidad de Chile por 5 a 1

Agência Estado

26 de fevereiro de 2014 | 08h37

BELO HORIZONTE - O técnico Marcelo Oliveira exaltou a goleada do Cruzeiro sobre a Universidad de Chile, na terça-feira, depois da derrota da equipe mineira na estreia na Copa Libertadores. Para o treinador, a vitória, pelo placar de 5 a 1 sobre um adversário "muito bom", foi inquestionável.

"Não tem muito o que questionar de um resultado como esse, em uma Copa Libertadores, contra um adversário direto. Esse é o caminho e é assim que temos que nos comportar. Marcar bastante, competir muito e procurar jogar. Alguns dos nossos gols, pelo menos dois, surgiram de jogadas de toques de bola, que fizeram com que o Cruzeiro tivesse a sua melhor partida esse ano", elogiou.

Para Oliveira, o placar ainda poderia ter sido mais elástico, caso o Cruzeiro tivesse aproveitado suas chances em contra-ataque. "Eles possuem jogadores que se movimentam muito e que nós deram muitas dificuldades, especialmente no segundo tempo. Nós tínhamos o contra-ataque e algumas vezes não aproveitamos bem", afirmou.

Com a vitória, o treinador espera recuperar a confiança do grupo depois da inesperada derrota para o Real Garcilaso, na estreia. "A gente tinha a necessidade de fazer um grande resultado em casa, já que tínhamos perdido no Peru", comentou. "Essa vitória brilhante e convincente como foi, ela fortalece, estimula e dá confiança, então esperamos que daqui para frente seja sempre assim, embora os adversários queiram a mesma coisa. Mas uma vitória desse naipe, na Libertadores é muito importante".

Grande destaque do jogo, Ricardo Goulart não escondeu a alegria pelos três gols marcados. "Muito feliz pelo meu desempenho, juntamente com o grupo. Hoje estive em uma tarde inspirada e isso é muito gratificante. Tenho que agradecer a Deus por esta oportunidade. Agora é descansar e pensar nas próximas partidas", comemorou.

"A gente sabia da situação do saldo de gols, então a gente entrou bem focado. Sabíamos das oportunidades que iríamos criar e que tínhamos que balançar as redes. Agora vamos ter os pés no chão, a gente não ganhou nada ainda", disse o atacante.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.