Susana Vera/Reuters
Susana Vera/Reuters

'Não tenho medo de perder Neymar', diz técnico do PSG

Thomas Tuchel disse que deixou o atacante brasileiro no banco para não correr riscos

Redação, EFE

27 de novembro de 2019 | 00h14

Recuperado de lesão na coxa esquerda, o atacante Neymar jogou pela primeira vez na atual edição da Liga dos Campeões nesta terça-feira, no empate entre Real Madrid e Paris Saint-Germain em 2 a 2 no estádio Santiago Bernabéu, mas começou a partida no banco de reservas por opção do técnico Thomas Tuchel.

Perguntado em entrevista coletiva após o jogo se teme que o jogador force uma saída do clube francês por ter entrado apenas no intervalo, Tuchel negou categoricamente.

"Não tenho medo de perder Neymar. Conversei com ele e lhe disse que preferia que ele jogasse no segundo tempo. Ele está fora há seis semanas, só tinha jogado uma partida antes de hoje e não precisava correr esse risco", justificou o treinador alemão.

Neymar substituiu o volante Gueye no intervalo, quando o placar era de 1 a 0 a favor do Real. O time mandante ainda aumentou a diferença, mas o PSG buscou o empate com dois gols em dois minutos, garantindo-se como líder do grupo A da Champions, com 13 pontos. Os 'Blancos' também estão classificados, mas em segundo.

"Era necessário evitar um novo problema. Tivemos de defender muito e foi por isso que tomei essa decisão. Conversamos calmamente sobre isso. Durante esta temporada, ele disputou alguns jogos um pouco lesionado, e eu decidi por ele. Era minha responsabilidade pela saúde dele. Não tenho medo de perdê-lo por causa dessa decisão, temos um ótimo relacionamento e não há problema", completou Tuchel.

O técnico do atual bicampeão francês reconheceu a superioridade dos donos da casa e ficou satisfeito com a reação dos seus jogadores quando perdiam por 2 a 0.

"O Real Madrid foi melhor durante muitos minutos. Foi difícil para nós encontrar espaços, tomar boas decisões. Não jogamos com velocidade e não estávamos confiantes o suficiente para jogar no Bernabéu. Eles mostraram que são o time que conquistou três Champions (nos últimos quatro anos)", elogiou Tuchel, que enalteceu a atuação de seu goleiro, Keylor Navas, que defendeu o Real na conquista dos títulos de 2016, 2017 e 2018.

"Acabamos encontrando espaços. Navas jogou muito bem, tivemos um goleiro extraordinário, e no final demonstramos uma mentalidade positiva, vencedora. Vou manter isso e a atitude dos jogadores que entraram do banco", disse. 

Para Entender

Programação de tv

Veja as principais atrações esportivas do dia

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.