Franck Fife/AFP
Franck Fife/AFP

'Não vai ser uma Copa fracassada', antecipa Deschamps com avanço às semifinais

Técnico demonstra confiança no desempenho do time francês na sequência da competição

Glauco de Pierri, enviado especial / Nizhny Novgorod, O Estado de S.Paulo

06 Julho 2018 | 15h26

Experiente, campeão mundial como jogador na Copa de 1998, o técnico Didier Deschamps finalmente esboçou um sorriso após uma partida pelo Mundial da Rússia. O semblante do treinador era de alívio, afinal ele colocou a França de volta entre as quatro melhores seleções do torneio após um hiato de 12 anos. O treinador está orgulhoso de sua equipe. "Estamos na semifinal, já é alguma coisa. O que eu posso dizer é que não vai ser uma Copa fracassada."

+ Deschamps comemora meta batida na Rússia pela França: 'Trabalho grandioso'

+ Godín aprova desempenho do Uruguai na Copa do Mundo e isenta Muslera

+ Saiba quais são os jogos e horários das semifinais da Copa do Mundo

"Mostramos que temos potencial para estar na semifinal. A fase de grupos foi dura, mas muitos outros times grandes não tiveram sucesso, podemos não ter sido sempre os melhores, mas passamos. Crescemos contra a Argentina. Não foi fácil. Ter um alto nível hoje, mostramos nosso nível mental, e foi ótimo para nós", explicou o treinador.

Deschamps disse que estava feliz com a classificação. "Estou sentindo muita alegria, estou muito orgulho, é merecido. Realizamos algo grandioso diante da Argentina e agora frente ao Uruguai nosso jogo foi ainda melhor. Tem uma margem para progresso, falta experiência, mas essa equipe é tão generosa e tem tantas qualidades... É isso, estamos entre os quatro últimos, somos a primeira equipe a chegar lá. Estou muito orgulhoso pelo meu grupo de 23, orgulhoso de ser francês", afirmou.

Do ponto de vista pessoal, o treinador também se mostrou realizado. "Gosto de atingir meus objetivos. Não alcancei todos ainda, mas não vou reclamar. Mas não olho de um ponto de vista pessoal. Meu orgulho é por todo o grupo. Gostaria de mencionar minha comissão técnica. Não estou fazendo isso por mim; é pelo time, minha família, meus amigos. Estão todos nos meus pensamentos. É bom poder compartilhar essa alegria. Compartilho com todos os torcedores franceses. Estão muito orgulhosos e felizes", disse.

 

O técnico ainda se disse feliz por Rafael Varane, que há quatro anos, no Mundial disputado no Brasil, falhou justamente nas quartas de final, na derrota da França para a Alemanha por 1 a 0, no Maracanã. "Estou feliz por Varane. Ganhou quatro anos de experiência. Todos esses jogadores cresceram, ganharam maturidade, bagagem, e isso é necessário. Foi o que disse a eles. Também sofri essa situação há quatro anos. O futebol é assim. É bom para ele e para nós que ele tenha marcado o primeiro gol."

"Jogamos melhor. Não foi perfeito também. Tivemos algumas imperfeições técnicas que não tiveram grandes consequências, mas sempre podemos jogar melhor. O Uruguai tem um grande time. Lloris fez uma grande defesa. Há perigos na bola parada, porque eles são fortes, mas, apesar disso, não sofremos grande pressão, tem muitas coisas em que podemos melhorar", finalizou o treinador.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.