'Não vou deixar o peso me atrapalhar no futebol'

Entrevista com o atacante Walter, do Goiás, que pesa 94 quilos

Marília Assunção, O Estado de S.Paulo

25 de agosto de 2013 | 08h23

GOIÂNIA - O fato de estar acima do peso não impede o atacante Walter de ser o grande destaque do Goiás no Campeonato Brasileiro. Mesmo com seu perfil avantajado, o pernambucano de 24 anos, 1,78 metro e 94 quilos (já chegou a 96) consegue se destacar em campo, a ponto de ter marcado 21 gols na atual temporada.

ESTADO - Você não tem receio de encurtar sua carreira pelo fato de estar acima do peso?

WALTER - Olha, isso é uma coisa que está acontecendo, mas pode acabar. Estou trabalhando para chegar ao meu peso ideal. Eu sei da minha qualidade e que posso dar muito e não vou deixar isso (peso) atrapalhar a minha carreira jamais.

ESTADO - Mas existem especialistas que afirmam que você teria de perder dez quilos para ter um desempenho ainda melhor em campo. O que acha?

WALTER - A minha meta é jogar bem e fazer gols.

ESTADO - E a história de que você toma dois litros de refrigerante por dia, é verdade?

WALTER - Isso foi muito chato. Teve quem falasse, mas não existe isso comigo. Não existe condição de alguém tomar esse tanto. Sou uma pessoa correta, se eu fizesse, eu falava, não negava. Ficam inventando coisas e a imprensa publica. É lógico que isso me prejudica. Minha família fica ouvindo isso... Atrapalha. O povo acredita no que a imprensa fala, mas Deus é grande e está comigo.

ESTADO - Os zagueiros tentam tirar o seu equilíbrio emocional chamando você de gordinho durante os jogos?

WALTER - Nunca aconteceu isso. Se acontecesse também, nem ia me esquentar. Quando a partida começa, o importante é mirar no que quer o professor, o meu treinador (Enderson Moreira). Muita gente vê quando você está por cima, mas não sabe o que se passa em seguida. Sei da minha qualidade. Se eu estiver mal, vão malhar. Se estou bem, estão falando. Então imagine se estiver jogando mal?

ESTADO - Você faz algum tratamento para emagrecer?

WALTER - Claro, mas com esse negócio de jogo em cima de jogo não tem como fazer um trabalho intensivo para emagrecer. Entra hotel na história, comida de hotel... Por causa disso, todo jogador entra em campo uns dois ou três quilos acima do peso ideal.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.