Wilton Junior/Estadão
Wilton Junior/Estadão

Tite minimiza excesso de individualismo de Neymar

Técnico elogia atacante e diz que não fez nenhum pedido especial ao camisa 10 do Brasil

Almir Leite, Leandro Silveira e Marcio Dolzan, enviados especiais / São Petersburgo, O Estado de S.Paulo

21 Junho 2018 | 10h46

O técnico Tite disse nesta quinta-feira, véspera do jogo com a Costa Rica, que não ficou preocupado com o excesso de individualismo do atacante Neymar na partida de estreia da Copa do Mundo e que não irá "tirar dele a iniciativa de transgressor". O treinador afirmou que o jogador do Paris Saint-Germain tem total liberdade para atuar e confirmou que ele irá iniciar a partida desta sexta, apesar de ter reclamado de dores no tornozelo ao longo da semana. Segundo Tite, Neymar está recuperado "e não vai para o sacrifício".

+ Seleção treina em São Petersburgo com Neymar e time titular confirmado

+ Astro francês critica Neymar: 'Parecia que estava jogando sozinho'

+ Brasil reencontra Costa Rica após batê-la em 2015 com 8 convocados para esta Copa

Antes do treino desta quinta na Arena Zenit, em São Petersburgo, local da partida contra os costarriquenhos, Tite assegurou que não teve nenhuma conversa particular com Neymar após a partida com a Suíça. "Eu não gosto de personalizar, mas eu vou falar: absolutamente não", declarou o técnico, que fez questão de ressaltar que não vê problema nas jogadas individuais de seus comandados.

"Todos os atletas têm responsabilidade de serem coletivos e serem individuais, alguns com características específicas. O Neymar, eu não vou tirar dele a iniciativa de transgressor, do último terço de campo, da genialidade, e entender que ele está em um processo de retomada. Serve para ele, para o Coutinho, para o Gabriel Jesus, para o Firmino, para o Willian", considerou Tite. "Todos nós temos que potencializar a equipe, mas respeitar as características. O último terço do campo, vai dentro, cria, finta, lance pessoal é característica do futebol brasileiro. Não vou retirar."

 

De acordo com o treinador, Neymar está recuperado das dores que o deixaram de fora do treino de segunda-feira (regenerativo) e da maior parte da atividade de terça, quando o jogador deixou o campo em Sochi reclamando do tornozelo direito. Questionado se escalaria o atacante se a partida fosse amistosa, e não válida pela Copa do Mundo, Tite foi enfático ao afirmar que sim.

 

"Não é sacrifício (Neymar jogar), é um processo evolutivo. São etapas que tu apressa, são necessidades técnicas importantes. Ele estaria jogando sim. Nós queremos vencer, estamos em uma Copa do Mundo, mas técnico não vai pagar preço de saúde e preço de desonestidade para vencer. Isso ele (técnico) não vai pagar. Vai pagar o preço de 'ficou nervoso', 'pô, não pensou bem o jogo', aí vai pagar. Mas esses valores aí, de saúde e de honestidade, ele não vai pagar", sustentou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.