Narciso marca um gol na despedida

No jogo de despedida do futebol, Narciso voltou às origens e atuou na zaga. Primeiro no time dos Amigos do Narciso, dirigido por Serginho Chulapa, e depois no Vivar, sob o comando de Geninho. Foi uma partida em benefício da Vivar, entidade que o jogador criou para ajudar os necessitados de transplante de medula óssea, disputada nesta segunda-feira à noite na Vila Belmiro e que teve craques que atuam no exterior, como Roberto Carlos, Cafu, Renato, Nenê, Denílson e outros e os que jogam no Brasil, com quase todos os titulares do Santos. Também os torcedores tiveram a oportunidade de rever Raí em campo.Narciso estava muito entusiasmado com o jogo que organizou, mas não deixava de ter um desapontamento. Afinal, estava encerrando uma carreira que começou em Neópolis (Sergipe) e, depois de passar pelo Corinthians de Alagoas e pela Paraguaçuense, chegou ao Santos em 94, junto com Giovanni. Jogou 266 partidas pelo time santista e se destacou no ano seguinte, quando sua equipe foi a vice-campeã brasileira. Foi convocado várias vezes pela seleção brasileira, registrando a conquista do pré-olímpico e a medalha de bronze na Olimpíada de 96.Em 2000, os exames médicos realizados na pré-temporada detectaram que Narciso tinha leucemia, começando aí o drama que durou os três anos em que lutou pela vida. Venceu a doença, no primeiro caso de atleta profissional a vencer a leucemia depois de um transplante de medula, e voltou a jogar em outubro de 2003, mas sem a força anterior. Atualmente, é auxiliar técnico de Márcio Fernandes, no Santos B.O desapontamento ficou por conta do fim de sua carreira de jogador. "É muito ruim, muito triste deixar o futebol, apesar de continuar dentro dele de uma maneira totalmente diferente: agora passo para os jogadores aquilo que aprendi e fico muito feliz com isso". E concluiu: "espero que eles possam aprender da mesma maneira que aprendi".Quanto ao jogo, não faltaram gols - e para ambos. Os Amigos de Narciso empataram por 9 a 9 com o time do Instituto Vivar. Narciso fez um gol, de pênalti.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.