Natação: Anthony Nesty ajuda brasileiros

O surinamês Anthony Nesty, que fez história em 1988, em Seul, ao se tornar o primeiro negro a ganhar uma medalha de ouro nos Jogos Olímpicos nadando os 100m borboleta, está no Rio acompanhando dois atletas brasileiros, que disputam o Troféu Brasil, no parque aquático Júlio de Lamare, no Complexo do Maracanã. Atualmente, ele é responsável por treinar os estudantes da Universidade da Flórida, onde conheceu Gabriel Mangabeira e Carlos Jayme. "O que tento passar para eles é a minha experiência. Mostrar que ele precisam ficar relaxados, fazerem o seu melhor e que até os melhores do mundo podem perder", disse Nesty. Em 1988, ele derrotou o campeão americano Matt Biondi com o tempo de 53s00, na época recorde mundial, contra 53s01 do adversário, favorito da prova e que a liderava por uma ampla vantagem. No Brasil, Nesty veio conferir o desempenho de Mangabeira, que amanhã nadará a eliminatória dos 100m borboleta e Jayme, classificado para a final dos 50m livre. O medalhista olímpico destacou a aplicação dos brasileiros durante os treinamentos nos Estados Unidos. "Eles apresentam bastante maturidade e a característica de líderes dentro do grupo", afirmou Nesty, lembrando que ambos possuem chances de se classificarem a Atenas, durante o Troféu Brasil. "Espero que tanto o Gabriel quanto o Jayme consigam a classificação. Sobre os Jogos Olímpicos da Grécia, Nesty não quis fazer previsão sobre quem poderá ser o campeão da prova em que foi medalhista olímpico e ficou invicto por três anos, após Seul. Destacou que tanto o americano Michael Phelps quanto o australiano Yan Thorpe podem vencer os 100m borboleta. "É impossível fazer uma previsão, porque os dois são muito bons", frisou Nesty. "É o mesmo que jogar uma moeda para o alto: pode dar tanto um lado quanto o outro."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.