Náutico e Botafogo empatam nos Aflitos e seguem mal

Em jogo movimentado, equipes ficam no 2 a 2 e seguem na zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro

RAFAEL BRAGANÇA, Agencia Estado

23 de julho de 2009 | 00h16

Precisando somar pontos para deixar a zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro, Náutico e Botafogo apenas empataram por 2 a 2 na noite desta quarta-feira, nos Aflitos, e seguem ameaçados pela queda à Série B. Os dois times chegaram a se arriscar para conseguir a vitória que os faria respirar na competição, mas a igualdade persistiu no placar, com dois gols de Gilmar pelo clube pernambucano e Juninho e Reinaldo marcando para os cariocas.

 

Veja também:

especialMASCOTES - Baixe o papel de parede do seu time

especialVisite o canal especial do Brasileirão

Brasileirão 2009 - lista Tabela | tabela Classificação

especialDê seu palpite no Bolão Vip do Limão

Com o empate, o Náutico permanece na lanterna, somando 10 pontos. Pela 14.ª rodada, a equipe do técnico Geninho ainda terá o clássico contra o Sport, no domingo, na Ilha do Retiro. O Botafogo também tem um confronto complicado. No sábado, recebe o terceiro colocado Internacional no Engenhão. O time carioca soma 12 pontos, em 17.º, abrindo a zona de rebaixamento.

O JOGO No confronto entre equipes que brigam contra o descenso, a baixa qualidade técnica ficou evidente desde o início. Mesmo com o Náutico atuando em casa e com o apoio da torcida, era o Botafogo que demonstrava mais vontade de buscar o gol nos primeiros minutos. O time pernambucano, porém, tinha a seu favor a organização maior na hora de atacar.

Com as duas equipes pouco inspiradas, o primeiro lance de perigo veio aos 14 minutos, quando Vágner Silva cruzou da direita e a bola passou na frente da área, obrigando a zaga botafoguense a afastar o perigo. Mas o Náutico seria logo punido pela falta de iniciativa. Aos 21 minutos, o Botafogo fez jogada ensaiada e o zagueiro Juninho marcou seu quarto gol no Brasileirão.

Lúcio Flávio cobrou escanteio para trás, na entrada da área, onde Juninho estava bem posicionado para dominar e arriscar o chute rasteiro de fora. O arremate não saiu forte, mas os muitos jogadores na área atrapalharam a visão do goleiro Eduardo: 1 a 0 Botafogo. Após o gol, o Náutico seguiu apático, e a torcida nos Aflitos ensaiou uma vaia para o time.

Enquanto o Botafogo primava pela calma no ataque, o Náutico criou sua melhor chance no primeiro tempo. Aos 43 minutos, Vágner Silva aproveitou cruzamento e cabeceou com perigo, fazendo a bola passar perto do gol defendido por Castillo. Na saída para o intervalo, Juninho deu a receita para o Botafogo vencer. "Quando a gente tem a oportunidade tem que matar o jogo", disse o zagueiro.

O time carioca chegou a tentar obedecer o seu capitão no segundo tempo. Logo aos oito minutos, Fahel marcou, mas o gol foi anulado. No lance, Renato, ao seu lado, estava impedido, e o bandeira considerou que ele participou da jogada. Sem conseguir matar o jogo, como pediu Juninho, o Botafogo acabou levando o empate em um pênalti inexistente marcado pelo árbitro paulista José Henrique de Carvalho.

Com 11 minutos, Renato foi tentar tirar a bola de Anderson Santana e acabou furando. O árbitro, porém, entendeu que ele deslocou o jogador do Náutico. Gilmar foi para a cobrança e fez 1 a 1. O atacante bateu no canto esquerdo de Castillo, enquanto o goleiro caiu para a direita. O gol fez o Botafogo voltar ao ataque, mas a equipe carioca acabou surpreendida pelo contragolpe do time pernambucano.

Com 22 minutos, Gilmar protagonizou a virada do Náutico nos Aflitos. Após cruzamento da esquerda, Carlinhos Bala dominou na segunda trave e cruzou novamente para o meio, onde o atacante estava bem posicionado para cabecear e marcar seu segundo gol no jogo. Em vantagem, a equipe da casa partiu para cima e quase fez o terceiro, em lance que Gilmar tocou por baixo do goleiro e Leandro Guerreiro apareceu para evitar o gol.

O lance seria fundamental para o empate do Botafogo. Já com Reinaldo e Jônatas em campo, que tinham sido colocados por Ney Franco nos lugares de André Lima e Túlio Souza, respectivamente, o zagueiro Juninho fez bem a sua especialidade: as faltas de longe distância. Com 30 minutos, o capitão botafoguense cobrou forte e Eduardo defendeu sem jeito, com o joelho. No rebote, Reinaldo fez 2 a 2.

Logo após o empate do Botafogo, Geninho decidiu arriscar e colocou o uruguaio Acosta no lugar de Johnny. O time carioca também queria a vitória, mas a expulsão justa de Fahel, aos 33 minutos, acabou freando a possível a reação. Com um a mais, o Náutico partiu com tudo para o ataque nos minutos finais, chegou até a se expor no contra-ataque, mas não conseguiu o gol que o tiraria da lanterna.

NÁUTICO 2 X 2 BOTAFOGO

Náutico - Eduardo; Galliardo, Vágner Silva e Gladstone; Anderson Santana, Nilson, Johnny (Acosta), Derlei e Ailton (Márcio Barros); Carlinhos Bala e Gilmar. Técnico: Geninho.

Botafogo - Castillo, Wellington, Juninho e Leandro Guerreiro; Túlio Souza (Jônatas), Fahel, Renato (Léo Silva), Lucio Flavio e Batista; Victor Simões e André Lima (Reinaldo). Técnico: Ney Franco.

Gols - Juninho, aos 21 minutos do primeiro tempo; Gilmar, aos 13 (de pênalti) e aos 22, e Reinaldo, aos 30 minutos do segundo tempo.

Árbitro - José Henrique de Carvalho (SP).

Cartões amarelos - Derley, Vágner Silva, Carlinhos Bala, Gladstone e Nilson (Náutico); Léo Silva, Juninho, Túlio Souza e Renato (Botafogo).

Cartão vermelho - Fahel (Botafogo).

Renda - R$ 33.825,00.

Público - 12.721 espectadores.

Local - Estádio dos Aflitos, no Recife (PE).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.