Náutico e Corinthians fazem jogo decisivo em Recife

Corintianos precisam da vitória para escapar da zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro

Cosme Rímoli, do Jornal da Tarde,

20 de outubro de 2007 | 21h00

Durante a manhã deste sábado, os jogadores do Corinthians receberam uma visita ilustre. No vestiário, esteve o presidente Andrés Sanchez. Ele fez questão de dizer que estará neste domingo em Recife, onde às 16 horas o Corinthians enfrenta o Náutico, em uma das seus mais importantes jogos do Brasileiro. Além do desgaste político, Andrés sabe o prejuízo e descrédito que seria um eventual rebaixamento para a Série B. "Nós não podemos nem pensar em cair", disse, sério, o presidente. Sob o olhar do chefe, Nelsinho Baptista preparou o Corinthians que pretende surpreender o time pernambucano em seus domínios. Sem contar com um grupo talentoso de atletas, o experiente técnico tratou de montar uma equipe muito forte na defesa, com velocidade nas laterais para contra-atacar e ainda tenta usar as bolas paradas como armas mortais. "Nós temos de usar a nossa estatura nas cabeçadas. Temos jogadores que sabem bater muito bem escanteios e faltas. No equilibrado futebol moderno, bola parada decide os jogos. E vamos prontos para isso", avisou o zagueiro Zelão. Existe muita chance de Nelsinho fazer uma adaptação como fez com Neto em 1990 e escalar um jogador pensando quase que exclusivamente nas bolas paradas. O Neto dos tempos modernos seria Ailton. Também de físico atarracado, o meia que veio do futebol mexicano está longe de ser um velocista. Mas os próprios colegas ressaltam sua qualidade nas bolas paradas. O treinador está em dúvida se desgasta logo de início Ailton ou o guarda para o segundo tempo. Se optar em poupá-lo, no seu lugar entraria o volante Carlão, improvisado na lateral esquerda. Tudo para que Gustavo Nery tenha liberdade para atacar sem preocupação em marcar. "Utilizei essa formação (com Carlão) contra o São Paulo e deu certo. Vou pensar bem para colocar o melhor time domingo", disse Nelsinho, alimentando o clima de mistério. Um dos líderes do time, Felipe se aproveita de toda sua experiência no futebol nordestino para antecipar o que o Náutico deverá fazer.NáuticoFabiano; Sidny, Toninho, Everaldo e Jílio César; Daniel Paulista, Elicarlos, Geraldo e Marcelinho; Felipe e FerreiraTécnico: Roberto FernandesCorinthiansFelipe; Fábio Ferreira, Zelão e Betão; Iran, Moradei, Carlos Alberto, Carlão (Ailton), Lulinha e Gustavo Nery; FinazziTécnico: Nelsinho BaptistaÁrbitro: Heber Roberto Lopes (PR)Estádio: Dos Aflitos, em PernambucoHorário: 16 horasTV: Globo e Band"Olha, no Vitória, quando íamos para disputar uma partida com essas características, usávamos uma tática simples. Apelando para o calor, para a pressão da torcida, o nosso time tratava de encurralar o adversário na defesa, de qualquer jeito. Nós precisaremos ter o máximo de tranqüilidade no início do jogo, nos primeiros minutos, quando o Náutico vai tentar se impor à força. E ditar o ritmo da partida que nos interesse", ensinou o goleiro. Nelsinho não falou abertamente aos jogadores, mas eles sabem que um empate seria muito bem recebido e teria importância na tabela. "Não vamos entrar para buscar o empate, mas se ele acontecer, não será mal", disse Lulinha, a esperança de talento e velocidade nos contragolpes. No primeiro turno, o Náutico venceu o Corinthians por 3 a 0. Ao contrário das expectativas criadas pelo presidente da Federação Pernambucana de Futebol, Carlos Alberto de Oliveira - afirmando haver um complô para salvar o Corinthians -, o desembarque do time no Recife foi calmo. Resta ver como o time será tratado nos Aflitos. Desfalque Sem o vice-artilheiro do campeonato, o uruguaio Acosta, que já marcou 17 gols na competição e está suspenso, o Náutico terá o retorno de cinco titulares. O técnico Roberto Fernandes tornou a fazer mistério sobre a escalação, mas deverá optar por três atacantes. O lateral Sidny terá uma motivação extra para enfrentar o Corinthians. Será sua primeira partida depois de o Náutico renovar por mais um ano seu empréstimo junto ao Salgueiro, de Pernambuco. O acordo fechado determina que ambas as partes terão direito a 50% do valor de uma futura negociação com algum outro clube. O vínculo entre os dois clubes está tão positivo que foi fechada também uma parceria de intercâmbio entre jogadores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.