Divulgação
Divulgação

Náutico estreia novo técnico contra o Santos para lutar contra o rebaixamento

Marcelo Martelotte tenta iniciar na Vila Belmiro reação para sair do último lugar do Brasileirão

AE, Agência Estado

25 de setembro de 2013 | 08h32

RECIFE - Na luta para evitar o rebaixamento no Brasileirão, o Náutico aposta em uma nova arma - provavelmente, a última. Contratado no último domingo, para ocupar o cargo que estava vago desde o pedido de demissão de Jorginho há 20 dias, o técnico Marcelo Martelotte estreia nesta quarta-feira, quando o time pernambucano enfrenta o Santos, a partir das 21 horas, na Vila Belmiro, em jogo atrasado da 11ª rodada do campeonato.

O Náutico é o lanterna do Brasileirão, com apenas 10 pontos somados até agora - está 17 atrás do Flamengo, o primeiro time fora da zona de rebaixamento. Marcelo Martelotte reconhece que a situação é extremamente complicada, mas mantém a esperança. "Lógico que dá para render mais e não se pode conformar com a situação, com a pontuação que tem. A gente sabe que esse grupo tem condição de ter muito mais do que isso. Restam 16 rodadas, aparentemente uma grande quantidade de pontos a ser disputada, mas estamos defasados em relação aos concorrentes", disse o técnico.

Com pouco tempo para treinar, Marcelo Martelotte deve manter a mesma base do time que empatou com o Flamengo no último domingo - como o lateral-esquerdo Bruno Collaço não pode jogar, ele deve improvisar o zagueiro Luiz Eduardo na posição. O treinador explicou, porém, que seu principal trabalho no momento será com o aspecto psicológico do elenco. "O maior desafio nosso é erguer o moral e elevar a autoestima, pois, quando olham a tabela, se sentem diminuídos. No momento, tudo é consequência do estado emocional desse grupo. Basta que eles acreditem no seu potencial ofensivo para ter um rendimento melhor", avaliou.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolBrasileirãoNáutico

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.