Náutico reclama dívidas de R$ 3,1 mi de Acosta e Corinthians

Mas dinheiro devido pelo time alvinegro é 'perfeitamente negociável', diz novo presidente, Maurício Cardoso

02 de janeiro de 2008 | 12h16

O Náutico ainda espera por um contato do meia-atacante Acosta e do Corinthians para receber por duas dívidas que reclama. O novo presidente do time pernambucano, Maurício Cardoso, diz que tanto o jogador quanto o time alvinegro estão devendo cerca de R$ 3,1 milhões, se somadas as quantias. O caso já está no STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva).A primeira dívida é de Acosta com o time pernambucano, que diz ter emprestado R$ 130 mil ao jogador. "Ele precisa de dinheiro e o Náutico emprestou ao Acosta, pessoa física. Ele tem de pagar esse valor. Infelizmente ele saiu sem falar nada, até onde sei ele nem avisou a família de que iria para São Paulo e essa história não ficará assim", diz Cardoso, em entrevista à rádio Jovem Pan.Para a segunda dívida, que seria do Corinthians com o Náutico, o valor é de R$ 3 milhões. "Este é o valor que está no pré-contrato que o jogador assinou conosco e que tem validade até 31 de dezembro de 2008, e não cumpriu. Mas é perfeitamente negociável", explica o dirigente, que não quis detalhar o quanto reduziria, mas cogita-se que o time espera receber R$ 500 mil.Este meio milhão de reais seria o valor da multa pelo direito de preferência do contrato com o Cerrito, do Paraguai, time pelo qual Acosta estava emprestado. "O erro nesta história quem cometeu foi o jogador. Ele tem de pagar e por isso estamos com ação no STJD", completa Cardoso.O Corinthians alega que não tem dívida nenhuma com o Náutico porque negociou direto com o Cerrito e baseia-se no fato de que o contrato registrado do jogador com o time pernambucano terminou em dezembro. Acosta só deve comentar o assunto nesta quinta, quando se apresenta ao time alvinegro para os treinos. O STJD ainda não definiu prazo para julgar o caso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.