Léo Lemos|Divulgação
Náutico voltou ao estádio dos Aflitos e reconquistou a torcida Léo Lemos|Divulgação

Náutico voltou ao estádio dos Aflitos e reconquistou a torcida Léo Lemos|Divulgação

Náutico recusa arena de Copa, volta para estádio 'raiz' e sonha com título da Série C

Após anos de prejuízo e pouca presença de público, clube resgata Aflitos como casa e recupera apoio popular. O time já está na Série B de 2020

Ciro Campos , O Estado de S. Paulo

Atualizado

Náutico voltou ao estádio dos Aflitos e reconquistou a torcida Léo Lemos|Divulgação

Sem padrão Fifa. Mas com padrão Náutico. O clube pernambucano adotou essa receita para fazer em 2019 uma temporada marcante dentro dos seus 118 anos de história. O time conquistou acesso para a Série B do Campeonato Brasileiro e disputa a partir de domingo a final da Série C, contra o Sampaio Corrêa (MA). Vai ter como um dos grandes trunfos na campanha o retorno à antiga casa. Ao abrir mão da Arena Pernambuco, feito para a Copa do Mundo, o Náutico volta ao estádio dos Aflitos. Com isso, renasceu no futebol e reconquista a própria torcida.

O ponto de virada nessa trajetória foi no passado. A diretoria intensificou as ações para romper o contrato com a Arena Pernambuco por se sentir descontente no local. O estádio localizado em São Lourenço da Mata, a cerca de 20 km do Recife, havia se tornado a única casa da equipe desde maio de 2014, embora nunca o Náutico tivesse se sentido confortável por lá. A distância, os preços dos ingressos e a falta de tradição atrapalhavam demais. O torcedor não gostava.

Segundo o presidente do Náutico, Edno Melo, a torcida continuou apegada demais à antiga casa. O estádio inaugurado há 80 anos fica em uma região privilegiada no Recife, tem capacidade para 19 mil pessoas e jamais foi esquecido pelo público alvirrubro. "A gente começou a perder torcida, perder identidade com o clube. Quando a gente ia para a Arena Pernambuco, tinha 180 torcedores nos jogos. Isso nunca foi a torcida do Náutico. O mesmo jogo se fosse nos Aflitos daria umas 6 mil pessoas. Estamos provando isso agora. Nosso estádio está decidindo os jogos", disse ao Estado. No último domingo, o time bateu o Juventude na semifinal da Série C diante de 13 mil pessoas.  

De 2014 até o fim de 2018, a equipe teve a Arena Pernambuco como o estádio principal e não guarda saudades deste período. De acordo com o dirigente, o público sentia no estádio padrão Fifa um ambiente frio, ao contrário da pressão e da festa comuns ao cenário vivido nos Aflitos. "A gente não se sentia em casa. Não se podia fazer nada. Faixa? Não podia levar. Soltar fogos? É proibido. Não tinha maleabilidade de preço de ingresso. Em vários jogos nós tínhamos prejuízo", contou.

Presidente do Náutico, Edno Melo, explica o processo de retorno do time para o estádio dos Aflitos

O clube decidiu então montar um plano para reformar o antigo estádio e assim voltar para casa. O estádio quase foi demolido para virar um shopping center anos atrás, mas o projeto acabou cancelado. Então, o Náutico traçou um plano para bancar uma reforma do local, com a busca por investidores e o lançamento de uma campanha chamada "Voltando pra casa". Os torcedores tiveram a oportunidade de pagar preços simbólicos e participarem, por exemplo, do replantio da grama.

O encerramento do contrato com a Arena Pernambuco precisou de aprovação dos sócios. O clube convocou uma assembleia geral para apreciar a proposta e teve ampla adesão. O retorno aos Aflitos se deu em dezembro do ano passado, em amistoso contra o Newell's Old Boys, da Argentina. A vitória alvirrubra por 1 a 0 teve a presença de 17 mil torcedores e a maior renda da história do futebol pernambucano: R$ 1,5 milhão. 

"O Náutico estava há 13 anos sem ganhar um título. Se você fizesse uma pesquisa se o torcedor queria ganhar um título ou voltar para os Aflitos, garanto que 90% ia dizer que queria voltar ao estádio", comentou o presidente. O clube chegou a ter anos atrás cerca de 1,8 mil sócios torcedores adimplentes. Agora o número saltou para quase 16 mil.

Nesta temporada, o Náutico teve o estádio dos Aflitos como um grande aliado. Em 25 partidas disputadas em casa no ano, foram 16 vitórias, cinco empates e quatro derrotas. Na Série C, o aproveitamento como mandante é de 72%. A força da torcida ajudou a garantir o acesso e rendeu cenas marcantes. Após eliminar o Paysandu neste ano e confirmar a vaga na Série B de 2020, houve uma grande invasão de campo e um torcedor deu um beijo no árbitro Leandro Vuaden, que marcou um pênalti a favor do time nos acréscimos.

No próximo domingo, o Náutico volta aos Aflitos para iniciar uma outra decisão. O time recebe o Sampaio Corrêa pela primeira partida da final da Série C com promessa de grande público e toda a festa tradicional: faixas, foguetório, ruas lotadas na região e um ambiente típico de futebol "raiz".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Inspirado no Canarinho, mascote 'Timbu de Chernobyl' vira talismã do Náutico na Série C

Animal enfezado substitui antigo símbolo dócil do clube e conquista a torcida no Recife

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

25 de setembro de 2019 | 13h00

A arrancada do Náutico na Série C do Campeonato Brasileiro rumo ao acesso está marcada por um personagem que não faz gol, mas virou ídolo da torcida. A diretoria lançou em agosto uma versão nova da mascote do clube e conquistou o apreço dos alvirrubros. O Timbu, espécie de gambá, teve a aparência refeita, ganhou traços de animal enfezado e até recebeu o carinhoso apelido de "Timbu de Chernobyl".

Inspirado por mascotes com cara de bravo, como o Canarinho, da seleção brasileira, e o Santo Paulo, do São Paulo, o Náutico quis elaborar uma versão própria. "Eu quis uma mascote que tirasse a docilidade. O Timbu anterior parecia de festa infantil. Queria uma figura de 'cabra-macho', que instigasse a torcida e fizesse o adversário sentir que o Náutico estava pronto para tudo", disse o vice-presidente de marketing e comunicação do Náutico, Ricardo Mello.

O dirigente afirmou que o conceito do personagem veio do projeto de fazer a torcida recuperar o moral após ter visto o clube amargar resultados ruins recentemente, em especial em momentos decisivos. O intuito foi mostrar que o "novo" Náutico, além do retorno ao estádio dos Aflitos, teria também uma postura mais aguerrida e sem temer os rivais.

Os traços agressivos do Timbu causaram grande impacto, inclusive na imprensa internacional. A primeira aparição dele foi em agosto, já com a criação instantânea do apelido "Timbu de Chernobyl", uma referência à usina nuclear ucraniana que sofreu um grave acidente em 1986. "Ao olhar para o Timbu, a sensação é de um sobrevivente, de um resistente, que passa por tudo e continua lutando. A repercussão fugiu do controle positivamente. Ficamos felizes", analisou Mello.

O Náutico cuidou de treinar um funcionário do clube para atuar como Timbu. O papel dele é entrar em campo, cativar a torcida e fazer pose. Até agora deu certo. Desde a estreia dele, o time não perdeu mais dentro de casa. O presidente do Náutico, Edno Melo, disse que o sucesso da mascote foi inesperado. "Eu particularmente achei o bicho feio, mas o timbu não é um animal bonito. Só que caiu na graça da torcida. O que a gente queria era ter alguém que desse medo", explicou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.