Navas lembra espera em aeroporto e revela choro após permanência no Real

A última janela para transferências da Europa ficou marcada pela negociação frustrada de De Gea com o Real Madrid. O negócio era dado como fechado e envolveria a ida de Keylor Navas para o Manchester United, como moeda de troca. O goleiro costa-riquenho chegou a ir para o aeroporto para embarcar para a Inglaterra, mas, no último dia da janela, as conversas foram interrompidas.

Estadão Conteúdo

22 de setembro de 2015 | 10h12

"Esse dia foi um dos piores da minha carreira. Nesse dia não chorei, mas depois de tudo sim, quando estava com minha esposa. Afinal, de tantas coisas que passamos, tantos momentos complicados, fica o ser humano e chega o momento em que todo mundo tem que mostrar de alguma forma", declarou em entrevista à rádio Cadena COPE.

Navas lembrou como foi aquele dia, quando foi surpreendido com a ligação de seu empresário, alertando-o da negociação. "Foi complicado. Acordei como num dia normal, mas logo à tarde começaram a tocar os telefones. Meu empresário me ligou, me disse que havia algo acontecendo e que precisava ficar atento."

Com o acordo praticamente finalizado, o goleiro foi para o aeroporto de Madri, onde esperava a autorização para viajar a Manchester, que nunca veio. "Fui a Barajas (aeroporto da capital espanhola) e fiquei esperando em uma sala com minha esposa. Mas nunca subimos no avião, como foi dito. Só o vimos de perto", contou.

Ao menos momentaneamente, a permanência de Navas parece ter feito bem ao goleiro e ao Real Madrid. Já são cinco partidas na temporadas, nas quais a equipe não foi vazada nenhuma vez. O próprio goleiro garantiu que nunca desejou deixar o clube.

"Eu nunca quis ir. Em nenhum momento desde que cheguei a Madri. Nunca pensei, quando cheguei a Madri, em ficar só um ano ou dois. Tenho minhas metas claras e sempre lutei por isso, confiando em mim. Por isso foi complicada esta situação, porque nunca pensei em sair", afirmou.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolReal MadridKeylor Navas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.