Cesar Greco/Ag. Palmeiras
Cesar Greco/Ag. Palmeiras

Negociação com empresa de Hong Kong faz Palmeiras adiar acordo com Crefisa

Clube faz reunião com companhia que teve contato com Paulo Nobre e promete investir R$ 1 bilhão

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

13 de dezembro de 2018 | 04h30

A diretoria do Palmeiras vai analisar a proposta de outro patrocinador antes de prosseguir com a renovação de contrato com a Crefisa. O clube se reuniu com Blackstar, empresa sediada em Hong Kong e que atua no ramo da energia e bioenergia, para avaliar a possibilidade de fechar um contrato de dez anos de duração, com o valor total de R$ 1 bilhão.

Na terça-feira, a diretoria se encontrou com o diretor comercial e representante da empresa no Brasil, Rubnei Quicoli. A Blackstar tem interesse em ingressar no mercado brasileiro e se aproximou do Palmeiras com uma proposta entregue a Genaro Marino Neto, candidato derrotado na eleição do clube do último dia 24. 

A Blackstar se mostrou disposta a fechar um contrato válido de 2019 a 2029, com o valor integral pago à vista, no momento da assinatura. Segundo a proposta que foi entregue ao clube e que foi obtida pelo Estado, o acordo prevê uma linha de crédito no valor de R$ 192 milhões para utilização em emergências.

A empresa nega ser uma concorrente da Crefisa e afirma não ser contra a conciliar espaço na camisa com outra marca. "Nós estamos nos apresentando como mais um patrocinador. Não existe concorrência ou rivalidade com a Crefisa", explicou Quicoli. De acordo com ele, a primeira aproximação entre o clube e a empresa foi feita em 2016, ainda na gestão Paulo Nobre. Na época o valor discutido era de de R$ 800 milhões.

A empresa de Hong Kong pretende levar o investimento a outras equipes brasileiras caso não avance nas tratativas. Procurado pela reportagem, o Palmeiras afirmou que não faria qualquer comentário por se tratar de um assunto interno.

Antes de ser reeleito, o presidente Mauricio Galiotte afirmou que tinha em mãos um acordo pronto para renovar por mais três anos com a Crefisa como patrocinadora principal. O acordo seria na casa dos R$ 80 milhões, acima dos R$ 78 milhões pagos nesta temporada e incluiria bônus por títulos conquistados. 

A presidente da Crefisa, Leila Pereira, também havia confirmado o interesse em prolongar a parceria. No momento, ela aguarda a definição das conversas entre o clube e a Blackstar e admite que o acordo pode ser selado apenas em janeiro.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.