Negociação MSI-Vágner Love sem solução

As duas passagens de volta ao Brasil que o empresário Evandro Ferreira havia encomendado para ele e Vágner Love voltarem ao Brasil nesta terça-feira terão de ser, no mínimo, trocadas. A negociação entre a MSI e o CSKA está sendo muito mais difícil do que previa o sempre confiante presidente do fundo de investimento, Kia Joorabchian.A direção do CSKA continua irredutível, exigindo US$ 12 milhões pelo atleta que pagou US$ 7,5 milhões ao Palmeiras. E quer a devolução também do US$ 1,5 milhão pago de luvas ao atacante e mais US$ 360 mil dados nos seis meses de contrato do atleta. "O Vágner vai continuar treinando com o restante da equipe do CSKA. Ele só virá para o Brasil se conseguir o desligamento definitivo do clube russo. E também só voltará a dar entrevistas depois que tudo estiver resolvido. Por enquanto vamos esperar quem pode decidir", diz o empresário Ferreira.Kia está tão envolvido e tendo tantos problemas em conseguir o atleta que até adiou o seu retorno ao país. Antes, havia a certeza de que estaria de volta nesta terça com Vágner Love ao seu lado. Só que não foi como previa. Kia se deu prazo para concluir o difícil negócio até a sexta-feira.No Corinthians, o presidente Alberto Dualib não se mostra preocupado. Pelo contrário, até aposta que o clube terá o principal atacante dos últimos anos no rival Palmeiras. "As pessoas precisam entender que uma negociação como essa é demorada. Já foi assim com o Tevez, só que ninguém acompanhou de perto. Ninguém sabe que o Kia teve várias reuniões com a direção do Boca até comprar o Tevez. Com o Vágner Love é a mesma coisa", aposta Dualib.Kia terá também na Europa uma reunião com os investidores da MSI. Ele mostrará o que foi feito no primeiro mês da MSI no Corinthians. Irá explicar o porquê de gastos que já chegam a US$ 90 milhões no Corinthians.E outra vez o lateral direito Paulo César que atuou no Santos em 2004 foi oferecido ao MSI. Kia pretende primeiro resolver a compra de Vágner Love. Depois, vai atrás do jogador do Paris Saint-Germain, da França.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.