Negócios para o futuro não abalam jogadores do Brasil

Defender a seleção brasileira numa Copa do Mundo valoriza qualquer um. Por isso mesmo, durante a disputa da competição começam a aparecer várias propostas de clubes do mundo inteiro. Mas os jogadores do Brasil garantem que não se abalam com o assédio e a necessidade de definir o futuro profissional: o momento é de pensar apenas na conquista do hexa e deixar as negociações para depois. Do grupo que está disputando a Copa na Alemanha, poucos devem mudar de time depois da Copa. Um desses casos é o do volante Zé Roberto, que já decidiu deixar o Bayern de Munique. Mas ele avisou aos seus agentes que só conversa sobre as propostas - teria recebido uma do Fenerbahçe, da Turquia - quando acabar o Mundial. ?Não é hora de pensar nisso. Não estou preocupado com isso agora?, disse o goleiro Dida, que joga no Milan, quando perguntado sobre um suposto interesse do Corinthians. Já Roberto Carlos tem proposta do Chelsea, mas ainda não decidiu se vai mesmo deixar o Real Madrid depois da Copa. A maioria deles, na verdade, espera o final da Copa para dimensionar a sua real valorização: uma boa participação pode render melhores contratos. Por outro lado, dois jogadores do grupo já definiram suas situações. Kaká assinou a renovação de contrato com o Milan, até 2011, depois do jogo contra o Japão, na semana passada. ?Foi uma coisa natural?, justificou. E Adriano mandou avisar que não sai da Inter de Milão, apesar do interesse do Real Madrid. ?Ele está feliz lá. Eu nem ouço propostas, não há a menor possibilidade de sair?, revelou o seu empresário, Gilmar Rinaldi. Apesar de não conseguir controlar esse assédio de clubes e empresários sobre os jogadores da seleção durante a Copa, o técnico Carlos Alberto Parreira garante que está tranqüilo com relação ao fato. ?Esse grupo é bem consciente, está concentrado na disputa da competição. Não acho que isso vá atrapalhar alguma coisa?, chegou a dizer no começo da preparação para o Mundial. Programação De qualquer maneira, as negociações para o futuro irão ficar de lado neste sábado, quando o Brasil enfrenta a França, pelas quartas-de-final da Copa. O jogo acontece em Frankfurt e será disputado a partir das 16 horas (horário de Brasília). Antes disso, porém, a seleção brasileira faz nesta sexta-feira, às 12 horas (horário de Brasília), o treino de reconhecimento do estádio em Frankfurt. A expectativa é pela participação de Kaká e Emerson, que tentam se recuperar de contusão a tempo de enfrentar a França no sábado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.