Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Nelsinho Baptista explica recordes com o Kashiwa Reysol no Japão: 'Nem em sonho imaginaria'

Técnico brasileiro encerra temporada no Japão com placar histórico de 13 a 1 sobre o Kyoto Sanga, da segunda divisão

Redação, Estadão Conteúdo

26 de novembro de 2019 | 11h54

Enquanto o português Jorge Jesus brilha no comando do Flamengo, o brasileiro Nelsinho Baptista, de 70 anos, faz história no Japão. O time dirigido por ele, o Kashiwa Reysol, fechou a temporada da J-League 2 (segunda divisão) com chave de ouro. No sábado, o time comandado pelo técnico brasileiro cravou um impressionante 13 a 1 em cima do Kyoto Sanga. Foi um recorde no futebol do país. O atacante queniano Olunga se tornou o maior goleador de um só jogo ao balançar as redes oito vezes. 

Nem em sonho, Nelsinho diz que esperava esses recordes. "Na verdade, isso parece coisa do passado, dos tempos do Santos de Pelé que ganhava de oito, nove, dez gols. A temporada aqui na Segunda Divisão foi bastante dura e equilibrada, então um placar alto de três ou quatro gols já seria algo de destaque na competição. Mas 13 gols é um recorde que deve demorar muitos anos para cair", comentou Nelsinho, por telefone, confessando que "nem em sonho imaginaria uma despedida desta forma".

Como na penúltima rodada o Reysol já tinha garantido sua volta à elite do futebol japonês e o título da competição, o objetivo era brindar a torcida com uma vitória na 42ª rodada, a última da disputa. O time caiu no ano passado. Por isso, a comissão técnica passou a semana cobrando seriedade dos jogadores. O adversário ocupava a sétima posição e brigava para ficar entre os seis primeiros colocados para disputar uma repescagem que poderia dar vaga de acesso.

"Foi uma tarde de muita qualidade e determinação. Fechamos de forma brilhante e inesperada o ano de 2019. Fiquei impressionado e gratificado", resumiu Nelsinho, destacando ainda os oito gols marcados por Olunga, atacante de 25 anos e que defende a seleção do Quênia, da África. Foi um recorde também de gols marcados por um só jogador no Japão.

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
Foi uma tarde de muita qualidade e determinação. Fechamos de forma brilhante e inesperada o ano de 2019. Fiquei impressionado e gratificado
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Nelsinho Baptista, treinador do Reysol

Olunga terminou a competição com 27 gols, dois a menos do que Leonardo, ex-atacante do Santos, que fez 29 gols pelo Albirex Niigata, que fechou a temporada em décimo lugar. Os outros gols da partida tiveram a marca brasileira. Cristiano da Silva fez três e Matheus Sávio, ex-Flamengo e CSA, fez um, com o japonês Segawa completando o placar histórico. 

"Os nossos jogadores estavam pilhados e deu certo. Foi impressionante. A gente esperava uma vitória até por dois ou três gols, mas 13 gols é a primeira na minha carreira. No fim, a torcida festejou, a cidade está contente e vamos pensar com calma, desde já, no futuro", disse Nelsinho. Ele tem mais dois anos de contrato com o clube.

Com a atropelada na partida final, o Kashiwa Reysol fechou sua campanha somando 84 pontos em 42 rodadas, com 25 vitórias, nove empates, oito derrotas. Seu time marcou 85 gols e sofreu 33. O acesso já tinha sido garantido na rodada passada. O vice-campeão Yokohama, com 79 pontos, também subiu.

ESTRANGEIRO

Nelsinho é o técnico estrangeiro que mais tempo trabalhou no Japão. No total foram 15 anos, distribuídos em três décadas. Começou nos anos 1990 com o Verdy Kawazaki, pelo qual sagrou-se bicampeão japonês em 1994 e 1995. Depois teve idas e vindas, como numa ponte aérea de um lado a outro do planeta, nas duas décadas deste século. Por coincidência, em 2010, ele também tinha tirado o Reysol da segunda divisão com o título para brilhar na elite japonesa nos anos seguintes. Até 2014, Nelsinho colecionou conquistas importantes, como de campeão japonês de 2011, mesmo ano em que participou do Mundial de Clubes. Ganhou ainda a Copa do Imperador e a Supercopa Japonesa em 2012. No ano de 2013, levou a Copa da Liga Japonesa. Em 2014, festejou a Copa Suruga ao bater o Lanús, da Argentina.

Após o novo triunfo pelo Kashiwa Reysol, a custo de muitas horas de dedicação e longe da família, Nelsinho Baptista sonha em cumprir seu contrato de mais dois anos. "É um desafio muito maior. Mas já estamos preparando e executando o plano para 2020. Enquanto Deus me der forças, fico dentro de campo. Cada desafio me deixa ainda mais motivado. Me sinto bem de saúde e me fortaleço a cada vitória. O futebol, como a vida, sempre nos reserva algo no dia seguinte. Quem não gosta de vencer, ainda mais com 13 gols?", disse ao Estado.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.