Nelsinho começa dia 2 no São Caetano

De forma lacônica, sem nenhuma cerimônia, a diretoria do São Caetano confirmou, nesta quarta-feira à tarde, a contratação do técnico Nelsinho Baptista para a temporada de 2006. Ele definiu os últimos detalhes pela manhã, numa reunião rápida com os dirigentes que vão definir, agora, os jogadores que continuarão no clube. O novo técnico está confiante na filosofia de trabalho, que começará efetivamente no dia 2 de janeiro quando será apresentado ao grupo. "Terei a chance de iniciar um trabalho, ajudando a diretoria na formação do elenco e também apresentando sugestões. Junto com minha comissão técnica (o auxiliar Mauro e o fisicultor Eduardo Baptista) terei tempo de elaborar uma programação e buscar os resultados em campo", disse o técnico que vai acompanhar à parte os próximos passos da direção. Aos 55 anos, Nelsinho estava no Nagoya Grampus, do Japão, mas em setembro teve um retorno amargo ao Brasil ao ser contratado pelo Santos e ser boicotado pelo elenco. Em 2003 ele teve uma breve passagem pelo ABC, quando dirigiu o time por apenas três jogos, justamente, antes de ir para o futebol japonês. Ele é a esperança de estabilidade, uma vez que cinco técnicos dirigiram o time em 2005: Zetti, Estevam Soares, Levir Culpi, Jair Picerni e Cuca. Vários jogadores serão liberados e outros contratados. O supervisor Batata minimizou as mudanças denominadas de "normais no início de toda temporada". O meia Edílson, com contrato terminando em dezembro, vai mesmo deixar o Azulão, mas o atacante Dimba, que marcou seu último gol em agosto, tem contrato até abril, ou seja, até o término do Campeonato Paulista. Vários jogadores já deixaram o clube, como o zagueiro Douglas, que assinou com o Palmeiras. Ou ainda o atacante Lei, os zagueiros Émerson e Douglas, os volantes Germano e Pingo; o lateral Ricardo Lopes e o goleiro Felipe. O atacante Marcelinho, que estava no Juventude, e o lateral-direito Ânderson Lima, que estava no futebol japonês, voltam ao Estádio Anacleto Campanella e devem ser aproveitados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.