Cristiane Mattos/Futura Press
Cristiane Mattos/Futura Press

Nem 'Swat Colorada' salva o Inter da ameaça do rebaixamento

Dirigentes históricos do clube e Celso Roth não conseguem tirar time do buraco

Lucas Azevedo, Especial para o Estado

26 de setembro de 2016 | 07h00

O Internacional passa por uma das piores crises de sua história. Campeão mundial em 2006, o Colorado tem grandes chances de ser rebaixado para a Série B do Brasileiro, algo inédito em sua história. Neste domingo, contra o Atlético-MG, em Belo Horizonte, derrota por 3 a 1. O Inter está na 18.ª posição, com 27 pontos, na zona de rebaixamento. A crise que aflige os colorados vem se acentuando com o acúmulo de derrotas. A meta do clube é chegar aos 45 pontos. Ou seja, seis vitórias nos 11 jogos restantes.

O eleito pela torcida como principal culpado pela situação do time é o presidente Vitório Piffero. O baixo desempenho dos jogadores contratados pela sua gestão, o fato de o time estar sob o comando do terceiro treinador no ano e a sequência de derrotas são alvo de protesto dos torcedores.

Para tentar salvar o clube do rebaixamento, Piffero chamou o ex-presidente Fernando Carvalho (foi sob seu comando que o clube conquistou a Libertadores e o Mundial de 2006) para ser vice de futebol, mesmo cargo que ocupou na campanha do título da Libertadores de 2010. Desde agosto, ele comanda a "Swat Colorada", como foi chamado o grupo criado para tentar conter a crise em alusão à força polcial dos EUA.

Também fazem parte da "Swat Colorada" Newton Drummond, diretor executivo entre 2002/2011 e 2013/2014, o deputado estadual Ibsen Pinheiro, dirigente na década de 70, e o técnico Celso Roth, que assumiu o o time depois de Falcão ser demitido após nova curta passagem sem sucesso. Há seis semanas no comando da equipe, Roth também já balança no cargo e pode ser demitido antes do fim do campeonato.

AMOR À CAMISA

Um dos maiores símbolos do Internacional, Valdomiro está preocupado. Jogador que mais vezes vestiu a camiseta colorada – com 803 jogos em 14 anos no clube –, ele sugere ao atual elenco: "Vamos dar mais um pouco de amor por essa camisa".

Valdomiro ganhou dez vezes o Campeonato Faúcho e três o Brasileiro. O ex-atacante, que chegou ao Inter em 1968, lamenta a atual situação do Colorado. "Esse clube me deu tudo na vida, me levou à seleção brasileira e a disputar a Copa de 1974. Nunca passei no Internacional uma situação assim."

Apesar da aflição em ver as recentes partidas do Inter, Valdomiro ainda acredita em uma recuperação no Brasileiro. "Queria ter a oportunidade de falar com os jogadores e dizer que o clube é grande demais. Dizer 'gente, vamos nos dar mais um pouquinho. Só vocês podem tirar o Inter dessa situação, colocá-lo no lugar que ele merece, que é lá brigando pelo título'."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.